Líbia: Alemanha reabre embaixada em Tripolí fechada desde início da guerra em 2014

Trípoli – O ministro dos Negócios Estrangeiros da Alemanha, Heiko Maas, reabriu esta quinta-feira a embaixada do seu país em Trípoli, fechada desde o início da guerra civil na Líbia, em 2014.

"Hoje, ao reabrir esta embaixada, estamos a trabalhar para aprofundar esforços para ajudar os líbios a construir um futuro melhor. Com este ato, queremos mostrar que a Alemanha é um parceiro comprometido com a Líbia e que continuará a sê-lo, e que queremos voltar a ter uma palavra a dizer na capital líbia", afirmou o ministro durante a cerimónia de reabertura da representação diplomática.

Horas antes de aterrar na capital da Líbia, Maas elogiou o "progresso do país" e alertou que a Alemanha quer "que a Líbia continue no caminho" que iniciou há um ano com o acordo de cessar-fogo negociado pela Rússia e Turquia e a formação do novo do Governo Nacional de Unidade transitório líbio (GNU) no Fórum para o Diálogo Político na Líbia, um organismo criado pela ONU.

Maas sublinhou ainda a necessidade de consolidar esse caminho através da realização, na data prevista, das eleições presidenciais e legislativas, marcadas para 24 de Dezembro.

Durante a sua visita, o chefe da diplomacia alemã encontrou-se com o primeiro-ministro líbio em exercício, Abdulhamid al Dbeiba, para discutir os últimos desenvolvimentos políticos no país do norte da África, a possibilidade de avançar para as eleições e os desafios pela frente.

Nas últimas semanas, vários responsáveis líbios deram a entender que as eleições poderiam ser adiadas ou mesmo separadas devido a disputas entre a região leste e ocidental e a obstáculos legais, administrativos e logísticos.

Depois de anos de guerra civil, o Fórum para o Diálogo Político na Líbia (FDPL) elegeu, em Março passado, um novo conselho presidencial e um novo Governo de transição que deve liderar o país até as eleições presidenciais e legislativas de Dezembro.

"Hoje, ao reabrir esta embaixada, estamos a trabalhar para aprofundar esforços para ajudar os líbios a construir um futuro melhor. Com este ato, queremos mostrar que a Alemanha é um parceiro comprometido com a Líbia e que continuará a sê-lo, e que queremos voltar a ter uma palavra a dizer na capital líbia", afirmou o ministro durante a cerimónia de reabertura da representação diplomática.

Horas antes de aterrar na capital da Líbia, Maas elogiou o "progresso do país" e alertou que a Alemanha quer "que a Líbia continue no caminho" que iniciou há um ano com o acordo de cessar-fogo negociado pela Rússia e Turquia e a formação do novo do Governo Nacional de Unidade transitório líbio (GNU) no Fórum para o Diálogo Político na Líbia, um organismo criado pela ONU.

Maas sublinhou ainda a necessidade de consolidar esse caminho através da realização, na data prevista, das eleições presidenciais e legislativas, marcadas para 24 de Dezembro.

Durante a sua visita, o chefe da diplomacia alemã encontrou-se com o primeiro-ministro líbio em exercício, Abdulhamid al Dbeiba, para discutir os últimos desenvolvimentos políticos no país do norte da África, a possibilidade de avançar para as eleições e os desafios pela frente.

Nas últimas semanas, vários responsáveis líbios deram a entender que as eleições poderiam ser adiadas ou mesmo separadas devido a disputas entre a região leste e ocidental e a obstáculos legais, administrativos e logísticos.

Depois de anos de guerra civil, o Fórum para o Diálogo Político na Líbia (FDPL) elegeu, em Março passado, um novo conselho presidencial e um novo Governo de transição que deve liderar o país até as eleições presidenciais e legislativas de Dezembro.