Líder do MpD proclama vitória e diz que é "lição" para a oposição

  • CABO VERDE: CIDADE DA PRAIA
Praia - O presidente do Movimento para a Democracia (MpD), Ulisses Correia e Silva, proclamou esta segunda-feira vitória nas eleições legislativas em Cabo Verde, afirmando que vai "continuar o bom trabalho" e que o resultado é uma "lição" para a oposição.

"Foi uma grande vitória, a vitória de Cabo Verde. Nós estávamos à espera desta vitória", afirmou Ulisses Correia e Silva, também primeiro-ministro em funções, ao fazer o discurso da vitória, na sede nacional do MpD, na Praia, com dezenas de militantes em festa no exterior. Acrescentou ainda que as previsões apontam para a eleição de 38 deputados do MpD, menos dois face a 2016, mas suficiente para manter a maioria absoluta.

"Fizemos uma boa campanha, um bom combate, conseguimos convencer os cabo-verdianos da justeza daquilo que foi o percurso da governação, uma situação muito difícil, e da justeza das nossas propostas para o futuro", afirmou Ulisses Correia e Silva. "Estamos aqui para continuar um bom trabalho: colocar Cabo Verde no caminho seguro para o desenvolvimento, colocar Cabo Verde mais resiliente", continuou.

No momento do discurso de vitória, cerca das 22:00 locais de domingo, o MpD liderava a votação global, com 49,2%, equivalente a 108.113 votos e 36 deputados confirmados pelos resultados oficiais, a um da maioria absoluta, quando permanecem quatro por distribuir, nos círculos da América e Europa e Resto do Mundo.

"A mensagem dos cabo-verdianos é muito clara. É uma mensagem de compromisso para o futuro, é uma mensagem de confiança, é uma mensagem de rejeição também a um tipo de política que não deve fazer escola aqui em Cabo Verde. Populismo exagerado, irresponsabilidade, falta de sentido de Estado. Os cabo-verdianos deram também um cartão vermelho a este tipo de oposição", afirmou.

Segundo os dados oficiais à mesma hora, com 96,8% das mesas de voto apuradas, o Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV) soma 83.401 votos (37,9%) e 28 deputados, enquanto a União Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID) conta 19.762 votos e quatro deputados, para uma taxa de abstenção global de 41,9%.

"Em 2016 [vitória do MpD] eu tinha dito que ninguém perdeu as eleições. Desta vez houve perdedores. Houve perdedores relativamente àqueles que fizeram da política a forma de ataque, não ao Governo nem ao MpD, mas ataque ao país, política de terra queimada, uma oposição pouco contributiva, negacionista", criticou.

"Trouxe muito pouco para o país. E em situações muito difíceis, nós esperávamos que houvesse uma atitude diferente. É uma lição para esta oposição, porque Cabo Verde precisa de uma oposição forte, mas responsável, com sentido de Estado", enfatizou o líder do MpD.

No discurso da vitória, Ulisses Correia e Silva traçou como prioridade imediata a massificação da vacinação da covid-19, para atingir mais de 70% da população até final do ano, de forma a defender a saúde e a economia, mas também conseguir "eliminar a pobreza extrema em Cabo Verde" - de famílias com rendimentos inferiores a dois dólares por dia -, através de "programas muito assertivos de retoma económica e protecção social".

Com este resultado eleitoral, Ulisses Correia e Silva será reconduzido como primeiro-ministro de Cabo Verde, cargo que ocupa desde 2016, mantendo a maioria absoluta no parlamento. "A maioria absoluta é essencial porque nós queremos ter estabilidade para governar", disse ainda.

"Foi uma grande vitória, a vitória de Cabo Verde. Nós estávamos à espera desta vitória", afirmou Ulisses Correia e Silva, também primeiro-ministro em funções, ao fazer o discurso da vitória, na sede nacional do MpD, na Praia, com dezenas de militantes em festa no exterior. Acrescentou ainda que as previsões apontam para a eleição de 38 deputados do MpD, menos dois face a 2016, mas suficiente para manter a maioria absoluta.

"Fizemos uma boa campanha, um bom combate, conseguimos convencer os cabo-verdianos da justeza daquilo que foi o percurso da governação, uma situação muito difícil, e da justeza das nossas propostas para o futuro", afirmou Ulisses Correia e Silva. "Estamos aqui para continuar um bom trabalho: colocar Cabo Verde no caminho seguro para o desenvolvimento, colocar Cabo Verde mais resiliente", continuou.

No momento do discurso de vitória, cerca das 22:00 locais de domingo, o MpD liderava a votação global, com 49,2%, equivalente a 108.113 votos e 36 deputados confirmados pelos resultados oficiais, a um da maioria absoluta, quando permanecem quatro por distribuir, nos círculos da América e Europa e Resto do Mundo.

"A mensagem dos cabo-verdianos é muito clara. É uma mensagem de compromisso para o futuro, é uma mensagem de confiança, é uma mensagem de rejeição também a um tipo de política que não deve fazer escola aqui em Cabo Verde. Populismo exagerado, irresponsabilidade, falta de sentido de Estado. Os cabo-verdianos deram também um cartão vermelho a este tipo de oposição", afirmou.

Segundo os dados oficiais à mesma hora, com 96,8% das mesas de voto apuradas, o Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV) soma 83.401 votos (37,9%) e 28 deputados, enquanto a União Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID) conta 19.762 votos e quatro deputados, para uma taxa de abstenção global de 41,9%.

"Em 2016 [vitória do MpD] eu tinha dito que ninguém perdeu as eleições. Desta vez houve perdedores. Houve perdedores relativamente àqueles que fizeram da política a forma de ataque, não ao Governo nem ao MpD, mas ataque ao país, política de terra queimada, uma oposição pouco contributiva, negacionista", criticou.

"Trouxe muito pouco para o país. E em situações muito difíceis, nós esperávamos que houvesse uma atitude diferente. É uma lição para esta oposição, porque Cabo Verde precisa de uma oposição forte, mas responsável, com sentido de Estado", enfatizou o líder do MpD.

No discurso da vitória, Ulisses Correia e Silva traçou como prioridade imediata a massificação da vacinação da covid-19, para atingir mais de 70% da população até final do ano, de forma a defender a saúde e a economia, mas também conseguir "eliminar a pobreza extrema em Cabo Verde" - de famílias com rendimentos inferiores a dois dólares por dia -, através de "programas muito assertivos de retoma económica e protecção social".

Com este resultado eleitoral, Ulisses Correia e Silva será reconduzido como primeiro-ministro de Cabo Verde, cargo que ocupa desde 2016, mantendo a maioria absoluta no parlamento. "A maioria absoluta é essencial porque nós queremos ter estabilidade para governar", disse ainda.