Mauritânia recebe ajuda material do Japão para reforçar segurança

Nouakchott - O Governo mauritaniano recepcionou, terça-feira, uma ajuda material do Japão, no valor global de 71 milhões de MRU (cerca de dois milhões de dólares americanos), para apoiar esforços envidados no domínio da segurança, nomeadamente a luta contra a emigração irregular e o terrorismo, noticiou a PANA.

A ajuda consiste num primeiro lote de 24 veículos, dos quais 14 de marca Toyota (Lander Cruiser) todo-o-terreno, e numa importante quantidade de peças sobressalentes, segundo as mesmas fontes.

Um segundo lote complementar, esperado nos próximos dias, comporta 14 camiões médios, 14 espelhos para a inspecção telescópica e 50 detectores de ferro portáteis.

Numa alocução pronunciada durante a cerimónia de recepção, o director-geral da Segurança Nacional (DGSN), o general Mesgharou ould Sidi, justificou o apoio japonês pela situação de segurança da região do Sahel, caracterizada pelo crescimento das actividades criminosas, em particular o fenómeno do terrorismo.

Também se justifica pelo crescimento da criminalidade transfronteiriça e da emigração ilegal, que são desafios de segurança que necessitam de um enorme potencial por parte dos Estados que os enfrentam, indicou.

A ajuda consiste num primeiro lote de 24 veículos, dos quais 14 de marca Toyota (Lander Cruiser) todo-o-terreno, e numa importante quantidade de peças sobressalentes, segundo as mesmas fontes.

Um segundo lote complementar, esperado nos próximos dias, comporta 14 camiões médios, 14 espelhos para a inspecção telescópica e 50 detectores de ferro portáteis.

Numa alocução pronunciada durante a cerimónia de recepção, o director-geral da Segurança Nacional (DGSN), o general Mesgharou ould Sidi, justificou o apoio japonês pela situação de segurança da região do Sahel, caracterizada pelo crescimento das actividades criminosas, em particular o fenómeno do terrorismo.

Também se justifica pelo crescimento da criminalidade transfronteiriça e da emigração ilegal, que são desafios de segurança que necessitam de um enorme potencial por parte dos Estados que os enfrentam, indicou.