Nova mutação do coronavírus originária da África do Sul é descoberta no Reino Unido

Londres - O Secretário da Saúde do Reino Unido, Matt Hancock, afirmou que dois casos de uma nova mutação do coronavírus, originária da África do Sul, foram encontrados no seu país.

Falando à imprensa, Hancock afirmou hoje que os casos se deram em pessoas que viajaram à África do Sul nas últimas semanas.

"Nós detectamos dois casos de uma nova variante do coronavírus aqui no Reino Unido", disse Hancock.

Além disso, a autoridade ressaltou a capacidade de fácil transmissão da mutação.

"Esta nova variante é muito preocupante porque é ainda mais transmissível e parece ter sofrido mutação mais além da [primeira] nova variante que foi descoberta no Reino Unido", acrescentou.

Tendo em vista a origem da mutação, o secretário anunciou novas medidas para o combate à mesma no Reino Unido:

"Estamos a colocar restrições imediatas às viagens oriundas da África do Sul", acrescentou.

Apesar da notícia preocupante, Hancock afirmou que os desenvolvedores da vacina da Oxford e AstraZeneca apresentaram os dados completos do imunizante à Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos para a Saúde (MHRA, na sigla em inglês) do Reino Unido.

"Estou feliz em poder lhes dizer que a vacina da Oxford/AstraZeneca desenvolvida aqui no Reino Unido submeteu todo o pacote de dados à MHRA para aprovação."

"Este é o passo seguinte em direcção a uma decisão sobre o estabelecimento de uma vacina que já está a ser produzida, inclusive aqui no Reino Unido."

Neste sábado (19), o governo britânico anunciou ao mundo que uma primeira nova variante do coronavírus SARS-CoV-2 havia sido detectada no seu território.

A notícia levou diversos países a suspenderem voos e fecharem as suas fronteiras com o Reino Unido.

Por sua vez, o director-geral do Fundo Russo de Investimentos Directos, Kirill Dmitriev, afirmou que a vacina Sputnik V contra o coronavírus, registada em 11 de Agosto na Rússia, é eficaz contra a nova mutação.

Falando à imprensa, Hancock afirmou hoje que os casos se deram em pessoas que viajaram à África do Sul nas últimas semanas.

"Nós detectamos dois casos de uma nova variante do coronavírus aqui no Reino Unido", disse Hancock.

Além disso, a autoridade ressaltou a capacidade de fácil transmissão da mutação.

"Esta nova variante é muito preocupante porque é ainda mais transmissível e parece ter sofrido mutação mais além da [primeira] nova variante que foi descoberta no Reino Unido", acrescentou.

Tendo em vista a origem da mutação, o secretário anunciou novas medidas para o combate à mesma no Reino Unido:

"Estamos a colocar restrições imediatas às viagens oriundas da África do Sul", acrescentou.

Apesar da notícia preocupante, Hancock afirmou que os desenvolvedores da vacina da Oxford e AstraZeneca apresentaram os dados completos do imunizante à Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos para a Saúde (MHRA, na sigla em inglês) do Reino Unido.

"Estou feliz em poder lhes dizer que a vacina da Oxford/AstraZeneca desenvolvida aqui no Reino Unido submeteu todo o pacote de dados à MHRA para aprovação."

"Este é o passo seguinte em direcção a uma decisão sobre o estabelecimento de uma vacina que já está a ser produzida, inclusive aqui no Reino Unido."

Neste sábado (19), o governo britânico anunciou ao mundo que uma primeira nova variante do coronavírus SARS-CoV-2 havia sido detectada no seu território.

A notícia levou diversos países a suspenderem voos e fecharem as suas fronteiras com o Reino Unido.

Por sua vez, o director-geral do Fundo Russo de Investimentos Directos, Kirill Dmitriev, afirmou que a vacina Sputnik V contra o coronavírus, registada em 11 de Agosto na Rússia, é eficaz contra a nova mutação.