Novo ataque no nordeste da Nigéria faz pelo menos 30 mortos

  • Mapa da Nigéria
Kano - Pelo menos 30 pessoas, entre soldados, milicianos e civis, morreram hoje num novo ataque de inspiração islâmica fundamentalista a um destacamento militar já atacado na segunda-feira no nordeste da Nigéria, noticia a France Presse.

Os membros do grupo do Estado Islâmico na África Ocidental (Iswap) surgiram em vários camiões armados com metralhadoras e atacaram a cidade de Ajiri e a sua base militar na segunda-feira à noite, noticia a AFP, lembrando que este grupo lidera uma insurreição que dura há uma década e já matou cerca de 36 mil pessoas e obrigou mais de dois milhões a saírem das suas casas.

"Durante os combates, perdemos cinco soldados, 15 membros da (milícia civil) JTF" e dez civis foram mortos, apanhados no tiroteio, disse um oficial do exército à AFP, uma contabilização confirmada por uma segunda fonte militar.

Nascido em 2016 a partir de um ramo separatista do grupo islâmico radical Boko Haram, que tem vindo a empreender ataques desde 2009, o Iswap tem vindo a aumentar os ataques a bases militares, emboscadas de soldados nigerianos e raptos de viajantes em postos de controlo falsos.

Os membros do grupo do Estado Islâmico na África Ocidental (Iswap) surgiram em vários camiões armados com metralhadoras e atacaram a cidade de Ajiri e a sua base militar na segunda-feira à noite, noticia a AFP, lembrando que este grupo lidera uma insurreição que dura há uma década e já matou cerca de 36 mil pessoas e obrigou mais de dois milhões a saírem das suas casas.

"Durante os combates, perdemos cinco soldados, 15 membros da (milícia civil) JTF" e dez civis foram mortos, apanhados no tiroteio, disse um oficial do exército à AFP, uma contabilização confirmada por uma segunda fonte militar.

Nascido em 2016 a partir de um ramo separatista do grupo islâmico radical Boko Haram, que tem vindo a empreender ataques desde 2009, o Iswap tem vindo a aumentar os ataques a bases militares, emboscadas de soldados nigerianos e raptos de viajantes em postos de controlo falsos.