ONU denuncia ameaças de grupos armados contra petrolífera líbia

  • Plataforma de Petróleo
Tripoli - A Missão de Apoio das Nações Unidas na Líbia (MANUL) condenou "as recentes ameaças de grupos armados contra a Companhia Nacional de Petróleo da Líbia (NOC) e a sua filial Sociedade Brega de Comercialização de Petróleo, com sede em Tripoli".

Numa declaração emitida sexta-feira, a MANUL afirma que a " NOC é e deve continuar a ser uma instituição unificada, independente e não política que trabalha em benefício de todos os líbios".

Sublinhou que "estas acções podem constituir uma violação das resoluções do Conselho de Segurança da ONU e os responsáveis podem estar sujeitos a sanções".

A produção petrolífera da Líbia já sofreu sérios reveses, em 2020, devido ao prolongado bloqueio petrolífero, que foi levantado há apenas três meses, e que resultou numa perda irremediável de 11 biliões de dólares americanos em oportunidades de venda, diz a nota.

Acrescenta que ", em todo o país, a NOC foi capaz de rapidamente, e apesar das circunstâncias excepcionalmente difíceis, restaurar totalmente a produção petrolífera líbia".

Por conseguinte, a NOC deve ser "apoiada e não minada", salientou a Missão onusina.

Após um bloqueio da produção e exportação de petróleo em várias regiões da Líbia controladas pelas forças rebeldes de Khalifa Haftar, de Janeiro a Agosto deste ano, causando ao país perdas de 800 mil barris por dia contra a anterior produção de mais de 1,2 milhões de barris por dia, bem como perdas de mais de 10 biliões de dólares americanos, a produção de petróleo recomeçou rapidamente, na sequência de um acordo de cessar-fogo.

Como resultado, a produção de petróleo, na Líbia, situa-se actualmente em 1,250 milhões de barris por dia.

Numa declaração emitida sexta-feira, a MANUL afirma que a " NOC é e deve continuar a ser uma instituição unificada, independente e não política que trabalha em benefício de todos os líbios".

Sublinhou que "estas acções podem constituir uma violação das resoluções do Conselho de Segurança da ONU e os responsáveis podem estar sujeitos a sanções".

A produção petrolífera da Líbia já sofreu sérios reveses, em 2020, devido ao prolongado bloqueio petrolífero, que foi levantado há apenas três meses, e que resultou numa perda irremediável de 11 biliões de dólares americanos em oportunidades de venda, diz a nota.

Acrescenta que ", em todo o país, a NOC foi capaz de rapidamente, e apesar das circunstâncias excepcionalmente difíceis, restaurar totalmente a produção petrolífera líbia".

Por conseguinte, a NOC deve ser "apoiada e não minada", salientou a Missão onusina.

Após um bloqueio da produção e exportação de petróleo em várias regiões da Líbia controladas pelas forças rebeldes de Khalifa Haftar, de Janeiro a Agosto deste ano, causando ao país perdas de 800 mil barris por dia contra a anterior produção de mais de 1,2 milhões de barris por dia, bem como perdas de mais de 10 biliões de dólares americanos, a produção de petróleo recomeçou rapidamente, na sequência de um acordo de cessar-fogo.

Como resultado, a produção de petróleo, na Líbia, situa-se actualmente em 1,250 milhões de barris por dia.