ONU lança apelo de 254 milhões para apoio humanitária em Cabo Delgado

  • Bandeira de Mocambique
Maputo - A Organização das Nações Unidas anunciou hoje que precisa de 254 milhões de dólares para garantir a assistência humanitária às populações deslocadas devido a violência armada em Cabo Delgado, no Norte de Moçambique.

"As pessoas foram forçadas a deixar as suas casas com nada mais do que as roupas que vestiam. Elas perderam os seus pertences, os seus meios de subsistência, o seu futuro. A ajuda humanitária é vital para aliviar o seu sofrimento", disse Myrta Kaulard, coordenadora residente da ONU em Moçambique, citada num comunicado.

O montante necessário seria destinado ao apoio de 1,1 milhões de pessoas durante todo o próximo ano, incluindo os que se refugiaram nas províncias de Niassa e Nampula, vizinhas de Cabo Delgado.

"Mulheres e meninas correm o risco de sequestro, violência de género e exploração, enquanto os meninos correm o risco de serem mortos ou recrutados por actores armados", alertou Myrta Kaulard, acrescentando que a ONU está também preocupada com o "destino dos civis que permanecem presos em áreas isoladas devido à violência".

A segurança alimentar e o abrigo estão entre os principais pontos de destaque no plano de assistência da ONU, com uma verba de 136 milhões de dólares e 28 milhões de dólares, respectivamente, de um total de 254 milhões de dólares necessários.

"A comunidade internacional tem sido extremamente generosa e tem estado, em 2020, a apoiar as pessoas em Moçambique enquanto enfrentam esta crise extremamente desafiadora. No entanto, com o rápido aumento das necessidades, os parceiros humanitários precisam urgentemente de mais financiamento para ampliar a sua resposta", acrescentou.

Em todo este ano, a ONU conseguiu mobilizar 43,5 milhões de dólares, dos 35,5 milhões de dólares que haviam sido solicitados, para o plano de resposta rápida em Cabo Delgado.

A violência armada em Cabo Delgado, onde se desenvolve o maior investimento multinacional privado de África, para a exploração de gás natural, está a provocar uma crise humanitária com mais de duas mil mortes e 560 mil deslocados, sem habitação, nem alimentos, concentrando-se sobretudo na capital provincial, Pemba.

Algumas das incursões passaram a ser reivindicadas pelo grupo fundamentalista Estado Islâmico desde 2019.

"As pessoas foram forçadas a deixar as suas casas com nada mais do que as roupas que vestiam. Elas perderam os seus pertences, os seus meios de subsistência, o seu futuro. A ajuda humanitária é vital para aliviar o seu sofrimento", disse Myrta Kaulard, coordenadora residente da ONU em Moçambique, citada num comunicado.

O montante necessário seria destinado ao apoio de 1,1 milhões de pessoas durante todo o próximo ano, incluindo os que se refugiaram nas províncias de Niassa e Nampula, vizinhas de Cabo Delgado.

"Mulheres e meninas correm o risco de sequestro, violência de género e exploração, enquanto os meninos correm o risco de serem mortos ou recrutados por actores armados", alertou Myrta Kaulard, acrescentando que a ONU está também preocupada com o "destino dos civis que permanecem presos em áreas isoladas devido à violência".

A segurança alimentar e o abrigo estão entre os principais pontos de destaque no plano de assistência da ONU, com uma verba de 136 milhões de dólares e 28 milhões de dólares, respectivamente, de um total de 254 milhões de dólares necessários.

"A comunidade internacional tem sido extremamente generosa e tem estado, em 2020, a apoiar as pessoas em Moçambique enquanto enfrentam esta crise extremamente desafiadora. No entanto, com o rápido aumento das necessidades, os parceiros humanitários precisam urgentemente de mais financiamento para ampliar a sua resposta", acrescentou.

Em todo este ano, a ONU conseguiu mobilizar 43,5 milhões de dólares, dos 35,5 milhões de dólares que haviam sido solicitados, para o plano de resposta rápida em Cabo Delgado.

A violência armada em Cabo Delgado, onde se desenvolve o maior investimento multinacional privado de África, para a exploração de gás natural, está a provocar uma crise humanitária com mais de duas mil mortes e 560 mil deslocados, sem habitação, nem alimentos, concentrando-se sobretudo na capital provincial, Pemba.

Algumas das incursões passaram a ser reivindicadas pelo grupo fundamentalista Estado Islâmico desde 2019.