ONU saúde retomada de voos para sul da Líbia

Tripoli - A Missão de Apoio das Nações Unidas na Líbia (UNSMIL, sigla em inglês) saúda a decisão tomada pela Autoridade da Aviação Civil, a 4 de Novembro de 2020, de permitir o reinício dos voos para todos os aeroportos da região do sul da Líbia.

Num comunicado publicado domingo último, a UNSMIL afirmou que a decisão é "fruto da confiança construída", no rescaldo da assinatura do acordo de cessar-fogo, a 23 de Outubro último e das discussões que se seguiram ao nível da Comissão Mista Militar, em Ghadames (oeste líbio), de 2 a 4 de Novembro corrente.

Porém, a UNSMIL disse ter notado, com grande preocupação, no meio destes desenvolvimentos positivos, que, entre 1 e 5 de Novembro corrente, vários indivíduos do leste, que viajaram para Tripoli, foram arbitrariamente capturados por grupos armados.

Uma pessoa foi seguida até ao seu destino, em Trípoli, tendo sido, logo depois, presa. Outras foram alegadamente interceptadas no aeroporto à sua chegada, lê-se no comunicado.

A ONU reafirmou que todos os cidadãos líbios têm direito à liberdade de circulação, advertindo que qualquer violação deste direito constitui uma violação grave das obrigações da Líbia, em virtude do direito internacional.

"A Missão considera que estas acções visam sabotar os esforços de boa-fé que visam reunir os Líbios, na sequência do acordo de cessar-fogo. Também exige a libertação imediata dos detidos arbitrariamente, o respeito pleno pela liberdade de movimento por todos os Líbios", segundo o mesmo documento.

 

Num comunicado publicado domingo último, a UNSMIL afirmou que a decisão é "fruto da confiança construída", no rescaldo da assinatura do acordo de cessar-fogo, a 23 de Outubro último e das discussões que se seguiram ao nível da Comissão Mista Militar, em Ghadames (oeste líbio), de 2 a 4 de Novembro corrente.

Porém, a UNSMIL disse ter notado, com grande preocupação, no meio destes desenvolvimentos positivos, que, entre 1 e 5 de Novembro corrente, vários indivíduos do leste, que viajaram para Tripoli, foram arbitrariamente capturados por grupos armados.

Uma pessoa foi seguida até ao seu destino, em Trípoli, tendo sido, logo depois, presa. Outras foram alegadamente interceptadas no aeroporto à sua chegada, lê-se no comunicado.

A ONU reafirmou que todos os cidadãos líbios têm direito à liberdade de circulação, advertindo que qualquer violação deste direito constitui uma violação grave das obrigações da Líbia, em virtude do direito internacional.

"A Missão considera que estas acções visam sabotar os esforços de boa-fé que visam reunir os Líbios, na sequência do acordo de cessar-fogo. Também exige a libertação imediata dos detidos arbitrariamente, o respeito pleno pela liberdade de movimento por todos os Líbios", segundo o mesmo documento.