Oposição na África do Sul ganha Pretória depois de Joanesburgo

  • Presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa
Pretória - A oposição na África do Sul venceu a capital do país, Pretória, nas eleições municipais, o que foi hoje classificado pelo Presidente, Cyril Ramaphosa, como "grande lição", que aconteceu um dia após o partido do poder ter perdido Joanesburgo.

"É um grande revés para nós, mas é também uma grande lição", disse Ramaphosa à margem de um encontro com o Presidente queniano, Uhuru Kenyatta, em Pretória.

"É decepcionante para o Congresso Nacional Africano (ANC), mas temos de aceitar a mensagem clara enviada pelo nosso povo", disse.

O ANC sofreu um retrocesso histórico nas eleições locais no início de Novembro, caindo abaixo dos 50 por cento pela primeira vez em qualquer eleição.

Até então, o partido de Nelson Mandela ganhou todos os sufrágios por maioria absoluta, desde as primeiras eleições democráticas do país, em 1994.

Sem uma maioria absoluta de um partido, a escolha do presidente da câmara em várias cidades estratégicas, incluindo Joanesburgo e Pretória, ficou em suspenso.

O ANC perdeu o controlo da capital económica de Joanesburgo na segunda-feira. A câmara municipal será liderada por Mpho Phalatse, uma mulher do principal partido da oposição, a Aliança Democrática (DA).

Outro candidato da DA, Randall Williams, foi confirmado para liderar Pretória, que já tinha sido ganha pela oposição nas anteriores eleições municipais de 2016.

Nascida em 2000 da fusão de três partidos "brancos", a DA, há muito vista como o partido da classe média branca, atraiu, entretanto, muitos eleitores negros, antes de ser envolvida em acusações de racismo.

 

"É um grande revés para nós, mas é também uma grande lição", disse Ramaphosa à margem de um encontro com o Presidente queniano, Uhuru Kenyatta, em Pretória.

"É decepcionante para o Congresso Nacional Africano (ANC), mas temos de aceitar a mensagem clara enviada pelo nosso povo", disse.

O ANC sofreu um retrocesso histórico nas eleições locais no início de Novembro, caindo abaixo dos 50 por cento pela primeira vez em qualquer eleição.

Até então, o partido de Nelson Mandela ganhou todos os sufrágios por maioria absoluta, desde as primeiras eleições democráticas do país, em 1994.

Sem uma maioria absoluta de um partido, a escolha do presidente da câmara em várias cidades estratégicas, incluindo Joanesburgo e Pretória, ficou em suspenso.

O ANC perdeu o controlo da capital económica de Joanesburgo na segunda-feira. A câmara municipal será liderada por Mpho Phalatse, uma mulher do principal partido da oposição, a Aliança Democrática (DA).

Outro candidato da DA, Randall Williams, foi confirmado para liderar Pretória, que já tinha sido ganha pela oposição nas anteriores eleições municipais de 2016.

Nascida em 2000 da fusão de três partidos "brancos", a DA, há muito vista como o partido da classe média branca, atraiu, entretanto, muitos eleitores negros, antes de ser envolvida em acusações de racismo.