Polícia nigeriana detém suspeitos do rapto de uma centena de crianças

  • Mapa da Nigéria
Lagos - Três pessoas suspeitas de raptar há dois meses mais de 100 estudantes de uma escola cristã no noroeste da Nigéria foram presas, anunciou a polícia nigeriana na noite de quinta-feira.

No passado dia 5 de Julho, pistoleiros invadiram a Escola Secundária Bethel Baptist nos arredores de Kaduna e raptaram 121 estudantes que estavam a dormir nos seus quartos.

"Três dos principais suspeitos envolvidos no rapto dos alunos da Bethel Baptist High School foram detidos", disse um porta-voz da polícia nigeriana, Frank Mba, num comunicado.

De acordo com a mesma fonte, um dos três suspeitos "tomou a cargo a vigilância da escola e consultou outros membros do bando antes de atacar e raptar os estudantes". Foi encontrada uma espingarda de assalto AK47 em cada uma das casas dos três suspeitos, acrescentou Mba, acrescentando que a investigação ainda decorre.

Entretanto, 100 estudantes foram libertados ou conseguiram escapar desde o rapto, e 21 permanecem nas mãos dos seus raptores.

Este rapto em larga escala integra uma lista de acções semelhantes realizados durante meses por grupos criminosos armados, que operam no noroeste e centro da Nigéria.

Estes grupos são motivados principalmente por dinheiro. Têm como alvos crianças e estudantes para obterem resgates, e não têm motivação ideológica, ao contrário dos grupos jihadistas que operam na Nigéria.

Cerca de 1.000 crianças em idade escolar e estudantes foram raptados em escolas desde Dezembro por estes bandos de criminosos. A maioria das crianças foi libertada após negociações, mas centenas permanecem presas em campos escondidos nas florestas.

O grupo radical islâmico Boko Haram foí o primeiro a recorrer à prática em escolas, com o rapto em 2014 de mais de 200 raparigas em Chibok, uma acção que provocou a indignação em todo o mundo.

No passado dia 5 de Julho, pistoleiros invadiram a Escola Secundária Bethel Baptist nos arredores de Kaduna e raptaram 121 estudantes que estavam a dormir nos seus quartos.

"Três dos principais suspeitos envolvidos no rapto dos alunos da Bethel Baptist High School foram detidos", disse um porta-voz da polícia nigeriana, Frank Mba, num comunicado.

De acordo com a mesma fonte, um dos três suspeitos "tomou a cargo a vigilância da escola e consultou outros membros do bando antes de atacar e raptar os estudantes". Foi encontrada uma espingarda de assalto AK47 em cada uma das casas dos três suspeitos, acrescentou Mba, acrescentando que a investigação ainda decorre.

Entretanto, 100 estudantes foram libertados ou conseguiram escapar desde o rapto, e 21 permanecem nas mãos dos seus raptores.

Este rapto em larga escala integra uma lista de acções semelhantes realizados durante meses por grupos criminosos armados, que operam no noroeste e centro da Nigéria.

Estes grupos são motivados principalmente por dinheiro. Têm como alvos crianças e estudantes para obterem resgates, e não têm motivação ideológica, ao contrário dos grupos jihadistas que operam na Nigéria.

Cerca de 1.000 crianças em idade escolar e estudantes foram raptados em escolas desde Dezembro por estes bandos de criminosos. A maioria das crianças foi libertada após negociações, mas centenas permanecem presas em campos escondidos nas florestas.

O grupo radical islâmico Boko Haram foí o primeiro a recorrer à prática em escolas, com o rapto em 2014 de mais de 200 raparigas em Chibok, uma acção que provocou a indignação em todo o mundo.