Presidente da Zâmbia ordena exército nas ruas antes das eleições

  • Bandeira da República da Zâmbia
Lusaka - O presidente da Zâmbia, Edgar Lungu, anunciou hoje que ordenou o envio do exército para reprimir situações de violência antes das eleições presidenciais e legislativas agendadas para 12 de Agosto.

"Para conter a violência política que testemunhámos nos últimos dois dias, autorizei o Exército da Zâmbia, a Força Aérea da Zâmbia e o Serviço Nacional da Zâmbia a ajudar a polícia da Zâmbia a lidar com a situação de segurança", disse Edgar Lungu, citado pela agência AFP.

Os focos de violência foram registados na capital Lusaka e noutras províncias onde apoiantes da Frente Patriótica (PF, na sigla em inglês) e do Partido Unido para o Desenvolvimento Nacional (UPND) entraram em confrontos.

Embora a Comissão Eleitoral tenha proibido as reuniões devido à pandemia de covid-19, os confrontos entre partidos políticos rivais continuaram devido ao número insuficiente de forças policiais.

"A manutenção da ordem pública é uma tarefa diária da polícia, mas às vezes precisa da ajuda de outros serviços de segurança", indicou o Presidente da Zâmbia.

Num relatório publicado no final de junho, a Amnistia Internacional alertou para a repressão "brutal" de qualquer opinião dissidente liderada pelo Presidente da Zâmbia que, segundo esta organização não governamental (ONG), ameaça o desenvolvimento das eleições presidenciais, num país onde "os direitos humanos estão em crise ".

O actual Presidente da Zâmbia, de 64 anos, é candidato a um segundo mandato, após ter sido eleito em 2016, na sequência de uma votação cujos resultados foram contestados pela oposição.

O principal opositor de Edgar Lungu é Hakainde Hichilema, que foi preso várias vezes desde que começou a disputar a presidência.

A Zâmbia é um país pequeno, pobre e sem litoral no sul de África, com uma população de 17 milhões, e que se encontra em dificuldades financeiras, com uma dívida externa estimada em cerca de 10 mil milhões de euros.

"Para conter a violência política que testemunhámos nos últimos dois dias, autorizei o Exército da Zâmbia, a Força Aérea da Zâmbia e o Serviço Nacional da Zâmbia a ajudar a polícia da Zâmbia a lidar com a situação de segurança", disse Edgar Lungu, citado pela agência AFP.

Os focos de violência foram registados na capital Lusaka e noutras províncias onde apoiantes da Frente Patriótica (PF, na sigla em inglês) e do Partido Unido para o Desenvolvimento Nacional (UPND) entraram em confrontos.

Embora a Comissão Eleitoral tenha proibido as reuniões devido à pandemia de covid-19, os confrontos entre partidos políticos rivais continuaram devido ao número insuficiente de forças policiais.

"A manutenção da ordem pública é uma tarefa diária da polícia, mas às vezes precisa da ajuda de outros serviços de segurança", indicou o Presidente da Zâmbia.

Num relatório publicado no final de junho, a Amnistia Internacional alertou para a repressão "brutal" de qualquer opinião dissidente liderada pelo Presidente da Zâmbia que, segundo esta organização não governamental (ONG), ameaça o desenvolvimento das eleições presidenciais, num país onde "os direitos humanos estão em crise ".

O actual Presidente da Zâmbia, de 64 anos, é candidato a um segundo mandato, após ter sido eleito em 2016, na sequência de uma votação cujos resultados foram contestados pela oposição.

O principal opositor de Edgar Lungu é Hakainde Hichilema, que foi preso várias vezes desde que começou a disputar a presidência.

A Zâmbia é um país pequeno, pobre e sem litoral no sul de África, com uma população de 17 milhões, e que se encontra em dificuldades financeiras, com uma dívida externa estimada em cerca de 10 mil milhões de euros.