Protestos contra violência policial aumentam na capital da Tunísia

  • Bandeira da Tunísia
  • Arte das Bandeiras da Tunísia (esq) e da Líbia
Tunis - Grupos de estudantes e polícias voltaram a envolver-se em confrontos na noite de sábado, 12, em Tunis, onde o descontentamento e protestos violentos têm aumentado devido à publicação de um vídeo que mostra vários agentes a agredir um menor.

O vídeo publicado na internet na quarta-feira mostra vários polícias a agredir e a despir um menor na rua durante uma manifestação contra a precariedade num bairro desfavorecido da capital da Tunísia.

Também esta semana foi notícia a morte junto a uma esquadra de polícia de um jovem do mesmo bairro que tinha sido detido durante uma manifestação.

Inicialmente as forças de segurança negaram esta informações, que acusaram os jovens de terem tentado assaltar a esquadra, mas o vídeo e a continuação dos protestos levaram a polícia em abrir um inquérito.

Os protestos nocturnos no distrito de Sidi Hassine Séjoumi, um dos mais pobres da zona sul da capital da Tunísia, têm acontecido diariamente e, na noite de sábado, jovens montaram barricadas, incendiaram pneus e atiraram objectos aos agentes para responder ao gás lacrimogéneo lançado pela polícia, que utilizou também outros métodos de repressão.

O protesto chegou à Avenida Habib Bourguiba, principal artéria de Tunes, onde unidades antimotim usaram a força e lançaram gás lacrimogéneo para dispersar os manifestantes, na sua maioria jovens que também protestavam contra a precariedade, inflação, desemprego e medidas de saúde contra a pandemia de covid-19, que agravaram a crise económica no país.

"O objectivo da manifestação era protestar contra o recente aumento de preços e denunciar a violência policial, especialmente aquela ligada aos recentes acontecimentos em Sidi Hassine", disse aos jornalistas a líder do Partido dos Trabalhadores, que está na oposição

 

O vídeo publicado na internet na quarta-feira mostra vários polícias a agredir e a despir um menor na rua durante uma manifestação contra a precariedade num bairro desfavorecido da capital da Tunísia.

Também esta semana foi notícia a morte junto a uma esquadra de polícia de um jovem do mesmo bairro que tinha sido detido durante uma manifestação.

Inicialmente as forças de segurança negaram esta informações, que acusaram os jovens de terem tentado assaltar a esquadra, mas o vídeo e a continuação dos protestos levaram a polícia em abrir um inquérito.

Os protestos nocturnos no distrito de Sidi Hassine Séjoumi, um dos mais pobres da zona sul da capital da Tunísia, têm acontecido diariamente e, na noite de sábado, jovens montaram barricadas, incendiaram pneus e atiraram objectos aos agentes para responder ao gás lacrimogéneo lançado pela polícia, que utilizou também outros métodos de repressão.

O protesto chegou à Avenida Habib Bourguiba, principal artéria de Tunes, onde unidades antimotim usaram a força e lançaram gás lacrimogéneo para dispersar os manifestantes, na sua maioria jovens que também protestavam contra a precariedade, inflação, desemprego e medidas de saúde contra a pandemia de covid-19, que agravaram a crise económica no país.

"O objectivo da manifestação era protestar contra o recente aumento de preços e denunciar a violência policial, especialmente aquela ligada aos recentes acontecimentos em Sidi Hassine", disse aos jornalistas a líder do Partido dos Trabalhadores, que está na oposição