Quatro mortos em explosão de mina no centro-oeste da Tunísia

Túnis - Quatro soldados tunisinos morreram terça-feira última na explosão de uma mina no Monte M’ghila (centro-oeste), zona militar fechada, anunciou o Ministério da Defesa Nacional.

Numa declaração à PANA, o porta-voz desta instituição, o comandante Mohamed Zekri, indicou que a explosão ocorreu durante a passagem de um veículo que transportava militares incumbidos de patrulhar nesta zona montanhosa de relevo acidentado, situada entre as localidades de Sidi Bouzi e Kasserine, próximas da fronteira argelina.

Aí estão entrincheirados terroristas pertencentes à brigada Jound Al Khilafa, uma ala da organização Al Qaeda no Magrebe Islâmico (AQMI), acrescentou.

O comandante Mohamed Zekri precisou que unidades do Exército levam regularmente a cabo operações de patrulha nestas montanhas para perseguir terroristas que nelas se refugiam.

Autoridades anunciaram precedentemente que as forças tunisinas eliminaram vários elementos da brigada Jound Al Khilafa, incluindo líderes desta organização.

Perseguidos constantemente, estes últimos, cujo número se avalia em várias dezenas, atacam de vez em quando habitantes residentes ao pé da montanha para lhes tirarem  alimentos.

Em Fevereiro de 2019, eles decapitaram um pastor suspeito de ser um informador que assinalava seus movimentos às autoridades competentes.

Num comunicado, o primeiro-ministro tunisino, Hichem Mechichi, apresentou as suas condolências às famílias enlutadas, garantindo “o apoio e a solicitude do Governo”.

Segundo ele, esta operação não afectará a determinação dos efectivos a continuar esforços no combate ao terrorismo e vencerem-no.

Numa declaração à PANA, o porta-voz desta instituição, o comandante Mohamed Zekri, indicou que a explosão ocorreu durante a passagem de um veículo que transportava militares incumbidos de patrulhar nesta zona montanhosa de relevo acidentado, situada entre as localidades de Sidi Bouzi e Kasserine, próximas da fronteira argelina.

Aí estão entrincheirados terroristas pertencentes à brigada Jound Al Khilafa, uma ala da organização Al Qaeda no Magrebe Islâmico (AQMI), acrescentou.

O comandante Mohamed Zekri precisou que unidades do Exército levam regularmente a cabo operações de patrulha nestas montanhas para perseguir terroristas que nelas se refugiam.

Autoridades anunciaram precedentemente que as forças tunisinas eliminaram vários elementos da brigada Jound Al Khilafa, incluindo líderes desta organização.

Perseguidos constantemente, estes últimos, cujo número se avalia em várias dezenas, atacam de vez em quando habitantes residentes ao pé da montanha para lhes tirarem  alimentos.

Em Fevereiro de 2019, eles decapitaram um pastor suspeito de ser um informador que assinalava seus movimentos às autoridades competentes.

Num comunicado, o primeiro-ministro tunisino, Hichem Mechichi, apresentou as suas condolências às famílias enlutadas, garantindo “o apoio e a solicitude do Governo”.

Segundo ele, esta operação não afectará a determinação dos efectivos a continuar esforços no combate ao terrorismo e vencerem-no.