RDC: Deputados e senadores da Frente Comum para o Congo aliam-se a Tshisekedi

  • Felix Antoine Tshiskedi Tchilombo, Presidente da RDC
Kinshasa – Mais de 200 parlamentares congoleses, entre deputados nacionais, provinciais e senadores, abandonaram a coligação Frente Comum para o Congo (FCC) de Joseph Kabila, para aderir à União Sagrada para a Nação do Presidente Félix Tshisekedi, informa a imprensa congolesa.

A adesão segue-se ao discurso de rompimento da aliança entre a FCC e a coligação CACH liderada por Tshisekedi, realizado pelo chefe do Estado congolês a 06 de Dezembro.

De acordo ainda com a imprensa local, terça-feira, no termo da sétima conferência de governadores, inaugurada por tshisekedi, o seu colectivo decidiu apoiar o novo bloco político em formação.

Num pronunciamento em nome das 26 províncias, Pancras Boongo, governador de Tshuapa, disse que todos optaram por apoiar a nova maioria parlamentar defendida pelo Presidente da República.

“Os governadores das províncias, na sua qualidade de representantes do chefe de Estado nas províncias, endereçam-vos esta moção de apoio e asseguram-vos que as vossas instruções serão sempre executadas por cada um de nós e nas nossas entidades”, sublinhou.

Mais adiante, o dirigente avançou: “Nós chefes dos executivos provinciais, aqui reunidos, conscientes do tímido arranque, 60 anos depois da independência da RDC, sublinhamos a necessidade de apoiar a vossa nova dinâmica para juntos cerrarmos os laços do conjunto das forças vivas, políticas e sociais, sem discriminação, ódio tribal, nem separatismo”.

Reforça-se, deste modo, a influência de Félix Tshisekedi sobre as instituições congolesas, depois da destituição da presidente da Assembleia Nacional, Jeanine Mabunda, uma das aliadas de Joseph Kabila.

Na próxima terça-feira, 05, a Casa das Leis congolesas reunir-se-á para eleger os membros da direcção, incluindo o seu presidente.

A adesão segue-se ao discurso de rompimento da aliança entre a FCC e a coligação CACH liderada por Tshisekedi, realizado pelo chefe do Estado congolês a 06 de Dezembro.

De acordo ainda com a imprensa local, terça-feira, no termo da sétima conferência de governadores, inaugurada por tshisekedi, o seu colectivo decidiu apoiar o novo bloco político em formação.

Num pronunciamento em nome das 26 províncias, Pancras Boongo, governador de Tshuapa, disse que todos optaram por apoiar a nova maioria parlamentar defendida pelo Presidente da República.

“Os governadores das províncias, na sua qualidade de representantes do chefe de Estado nas províncias, endereçam-vos esta moção de apoio e asseguram-vos que as vossas instruções serão sempre executadas por cada um de nós e nas nossas entidades”, sublinhou.

Mais adiante, o dirigente avançou: “Nós chefes dos executivos provinciais, aqui reunidos, conscientes do tímido arranque, 60 anos depois da independência da RDC, sublinhamos a necessidade de apoiar a vossa nova dinâmica para juntos cerrarmos os laços do conjunto das forças vivas, políticas e sociais, sem discriminação, ódio tribal, nem separatismo”.

Reforça-se, deste modo, a influência de Félix Tshisekedi sobre as instituições congolesas, depois da destituição da presidente da Assembleia Nacional, Jeanine Mabunda, uma das aliadas de Joseph Kabila.

Na próxima terça-feira, 05, a Casa das Leis congolesas reunir-se-á para eleger os membros da direcção, incluindo o seu presidente.