Sudão: 48 mortos e 97 feridos em actos de violência em Darfur Ocidental

Cartum - O balanço das violências registadas em El-Geneina, no estado de Darfur Ocidental (oeste), subiu para 48 mortos e 97 feridos, anunciou o Comité dos Médicos Sudaneses na sua página oficial do Facebook.

O comunicado sublinha que "os sangrentos acontecimentos de sábado na cidade de El-Geneina, deixaram pelo menos 48 mortos e 97 feridos, segundo um balanço preliminar que tende a aumentar".

“O pessoal médico envidou todos os esforços para socorrer os feridos, apesar da dificuldade de deslocamento e da ausência de quadros sanitários e de assistência médica”, explica a nota.

O comité lançou um apelo urgente ao Governo estadual para que assegure os estabelecimentos de saúde e forneça transporte sob a protecção das forças da ordem, a fim de ajudar os feridos retidos nas zonas de confrontos e evacuá-los para os hospitais.

Nesta senda, o primeiro-ministro Abdullah Hamdok enviou uma delegação à cidade de El Geneina, no estado de Darfur Ocidental, chefiada pelo procurador-geral Taj Al-Sir Al-Habr, acompanhado de representantes de todos os órgãos de segurança, militares e judiciários.

As autoridades impuseram o recolher obrigatório por tempo indeterminado neste estado, no sábado, devido às violências.

Por sua vez, o governador de Darfur Ocidental, Mohamed Abdullah Al-Duma, decidiu igualmente autorizar as forças regulares a utilizar “meios musculados para controlar os fora da lei”, noticia a agência de notícias SUNA.

Sexta-feira, uma disputa, que resultou na morte de uma pessoa, degenerou em actos de violência. Não há um balanço oficial do arsenal de armas que as tribos dispõem na região de Darfur. No entanto, relatórios não oficiais evocam centenas de milhares de armas, incluindo armas pesadas.

O comunicado sublinha que "os sangrentos acontecimentos de sábado na cidade de El-Geneina, deixaram pelo menos 48 mortos e 97 feridos, segundo um balanço preliminar que tende a aumentar".

“O pessoal médico envidou todos os esforços para socorrer os feridos, apesar da dificuldade de deslocamento e da ausência de quadros sanitários e de assistência médica”, explica a nota.

O comité lançou um apelo urgente ao Governo estadual para que assegure os estabelecimentos de saúde e forneça transporte sob a protecção das forças da ordem, a fim de ajudar os feridos retidos nas zonas de confrontos e evacuá-los para os hospitais.

Nesta senda, o primeiro-ministro Abdullah Hamdok enviou uma delegação à cidade de El Geneina, no estado de Darfur Ocidental, chefiada pelo procurador-geral Taj Al-Sir Al-Habr, acompanhado de representantes de todos os órgãos de segurança, militares e judiciários.

As autoridades impuseram o recolher obrigatório por tempo indeterminado neste estado, no sábado, devido às violências.

Por sua vez, o governador de Darfur Ocidental, Mohamed Abdullah Al-Duma, decidiu igualmente autorizar as forças regulares a utilizar “meios musculados para controlar os fora da lei”, noticia a agência de notícias SUNA.

Sexta-feira, uma disputa, que resultou na morte de uma pessoa, degenerou em actos de violência. Não há um balanço oficial do arsenal de armas que as tribos dispõem na região de Darfur. No entanto, relatórios não oficiais evocam centenas de milhares de armas, incluindo armas pesadas.