Agro-jovem colhe seis toneladas de produtos diversos na Caála

  • Produção de milho
Caála – Seis toneladas de milho, feijão, repolho e beterraba são colhidas todos os anos nas comunas da Catata e Cuima, município da Caála (Huambo), por 105 jovens inseridos no projecto Agro-Jovem, apurou a ANGOP, esta terça-feira.

O projecto, implementado pela Organização Não-governamental Acção para o Desenvolvimento Rural e Ambiente (ADRA), com financiamento da embaixada francesa, está a ser executado numa área de três hectares, distribuídos pelas duas comunas.

Em declarações à ANGOP, o técnico comunitário da ADRA no Huambo Sabino Salussinga disse que o Agro-Jovem, implementado de forma piloto em 2018, por esta organização, visa reduzir o êxodo rural e de jovens e, ao mesmo tempo, combater as assimetrias ainda existentes.

Conforme o responsável, além da produção, foram ainda constituídas as caixas comunitárias, conhecidas como bancos rurais, com um acumulado de dois milhões de Kwanzas movimentados pelos jovens, a fim de sustentarem o projecto que, em breve, será estendido a outras localidades dos municípios do Bailundo, Caála e Longonjo.

Informou que esta iniciativa visa essencialmente buscar alternativas simples de fomento ao emprego e estimular o agro-negócio, para a promoção do desenvolvimento local.

Criada em 1990, a ADRA é uma organização não-governamental vocacionada na promoção da construção de um desenvolvimento democrático e sustentável, social, económico e ambiental do país, bem como na reconciliação nacional.

O projecto, implementado pela Organização Não-governamental Acção para o Desenvolvimento Rural e Ambiente (ADRA), com financiamento da embaixada francesa, está a ser executado numa área de três hectares, distribuídos pelas duas comunas.

Em declarações à ANGOP, o técnico comunitário da ADRA no Huambo Sabino Salussinga disse que o Agro-Jovem, implementado de forma piloto em 2018, por esta organização, visa reduzir o êxodo rural e de jovens e, ao mesmo tempo, combater as assimetrias ainda existentes.

Conforme o responsável, além da produção, foram ainda constituídas as caixas comunitárias, conhecidas como bancos rurais, com um acumulado de dois milhões de Kwanzas movimentados pelos jovens, a fim de sustentarem o projecto que, em breve, será estendido a outras localidades dos municípios do Bailundo, Caála e Longonjo.

Informou que esta iniciativa visa essencialmente buscar alternativas simples de fomento ao emprego e estimular o agro-negócio, para a promoção do desenvolvimento local.

Criada em 1990, a ADRA é uma organização não-governamental vocacionada na promoção da construção de um desenvolvimento democrático e sustentável, social, económico e ambiental do país, bem como na reconciliação nacional.