Bengo: FAA encoraja produção agrícola para auto-suficiência das unidades

  • Equipamento para agricultura mecanizada
Caxito - O chefe do Estado Maior General das Forças Armadas Angolanas (CEMG/FAA), Egídio de Sousa Santos, disse segunda-feira no Ambriz, província do Bengo, ser necessário continuar-se a incentivar o envolvimento dos militares na produção agrícola para garantir a auto-suficiência alimentar das unidades.

De acordo com o chefe do Estado Maior General das FAA, o engajamento dos militares na agricultura manterá as tropas ocupadas em actividades úteis à sociedade e a própria instituição em que pertencem.

Discursando na abertura do "Ano de instrução, preparação combativa e educativa patriótica 2020/2021 das FAA", o general Egídio de Sousa Santos referiu que o militar não deve alinhar em comportamentos desviantes e incompatíveis com o profissionalismo que se exige da classe.

Recomendou aos chefes militares, responsáveis pela educação e instrução dos efectivos a serem conhecedores e competentes naquilo que transmitem como valores que moldam comportamentos e atitudes, fazendo do militar um verdadeiro exemplo a seguir pela sociedade.

Egídio Sousa Santos reconheceu que o ano de instrução transacto foi profundamente atípico e muito difícil, caracterizado por inúmeras dificuldades de natureza económica e financeira, agravadas com o surgimento da Covid-19, situação que obrigou a interromper e reajustar importantes actividades.

 

De acordo com o chefe do Estado Maior General das FAA, o engajamento dos militares na agricultura manterá as tropas ocupadas em actividades úteis à sociedade e a própria instituição em que pertencem.

Discursando na abertura do "Ano de instrução, preparação combativa e educativa patriótica 2020/2021 das FAA", o general Egídio de Sousa Santos referiu que o militar não deve alinhar em comportamentos desviantes e incompatíveis com o profissionalismo que se exige da classe.

Recomendou aos chefes militares, responsáveis pela educação e instrução dos efectivos a serem conhecedores e competentes naquilo que transmitem como valores que moldam comportamentos e atitudes, fazendo do militar um verdadeiro exemplo a seguir pela sociedade.

Egídio Sousa Santos reconheceu que o ano de instrução transacto foi profundamente atípico e muito difícil, caracterizado por inúmeras dificuldades de natureza económica e financeira, agravadas com o surgimento da Covid-19, situação que obrigou a interromper e reajustar importantes actividades.