MOSAP II forma técnicos da agricultura

  • Campo agrícola
Catabola - Setenta técnicos do sector da agricultura das províncias do Bié, Huambo, Moxico, Lunda Sul, Uíge e Malanje foram formados sobre metodologias de implementação de escolas de campo, no quadro do Projecto de Desenvolvimento da Agricultura Familiar e Comercialização "MOSAP II".

Durante três meses, os formados foram capacitados em materiais sobre implementação de uma escola de campo, parcelas de aprendizagem, análise do sistema agro-ecológico e maneio integrado de pragas, sistemas de culturas e sua rotação.

Aprenderam ainda sobre mudanças climáticas e sistemas de rega, nutrição, cadeia de valor e análise económica, técnicas de cultura prioritárias, diversificação de culturas, integração de renda, gestão comunitária, caixa comunitária, entre outros temas.

Com esta acção formativa, segundo o coordenador do MOSAP II, Guilherme Chicola Chivindo, o projecto atinge 750 escolas de campo, abrangendo 23 mil membros, assim como formou 420 formadores de escolas de campo.

O responsável falava na cerimónia de encerramento da acção formativa, realizada na comuna da Chipita, município de Catabola (Bié).

Por sua vez, o director-geral do Instituto de Desenvolvimento Agrário (IDA), David Dunga, sublinhou que o Governo local aposta na formação dos técnicos do sector, visando aumentar a produção e salvaguardar a segurança alimentar na região.

O projecto MOSAP II está a ser implementado desde 2017 no Bié, Malanje e Huambo. Até a presente data, criou, no âmbito do programa segurança alimentar, mais de 250 escolas de campo nas referidas províncias, das cinco mil escolas previstas.

O MOSAP II é um projecto do Ministério da Agricultura e Florestas, implementado pelo Instituto de Desenvolvimento Agrário (IDA), com financiamento do Banco Mundial. 

O projecto tem por objectivo aumentar a produtividade, produção e comercialização de produtos agrícolas, com enfoque para a mandioca, milho, feijão, batatas e hortaliças.

 

Durante três meses, os formados foram capacitados em materiais sobre implementação de uma escola de campo, parcelas de aprendizagem, análise do sistema agro-ecológico e maneio integrado de pragas, sistemas de culturas e sua rotação.

Aprenderam ainda sobre mudanças climáticas e sistemas de rega, nutrição, cadeia de valor e análise económica, técnicas de cultura prioritárias, diversificação de culturas, integração de renda, gestão comunitária, caixa comunitária, entre outros temas.

Com esta acção formativa, segundo o coordenador do MOSAP II, Guilherme Chicola Chivindo, o projecto atinge 750 escolas de campo, abrangendo 23 mil membros, assim como formou 420 formadores de escolas de campo.

O responsável falava na cerimónia de encerramento da acção formativa, realizada na comuna da Chipita, município de Catabola (Bié).

Por sua vez, o director-geral do Instituto de Desenvolvimento Agrário (IDA), David Dunga, sublinhou que o Governo local aposta na formação dos técnicos do sector, visando aumentar a produção e salvaguardar a segurança alimentar na região.

O projecto MOSAP II está a ser implementado desde 2017 no Bié, Malanje e Huambo. Até a presente data, criou, no âmbito do programa segurança alimentar, mais de 250 escolas de campo nas referidas províncias, das cinco mil escolas previstas.

O MOSAP II é um projecto do Ministério da Agricultura e Florestas, implementado pelo Instituto de Desenvolvimento Agrário (IDA), com financiamento do Banco Mundial. 

O projecto tem por objectivo aumentar a produtividade, produção e comercialização de produtos agrícolas, com enfoque para a mandioca, milho, feijão, batatas e hortaliças.