Agricultura cria equipas de combate à praga de gafanhotos

Menongue - O Ministério da Agricultura criou recentemente, em função da actual praga de gafanhotos que assola o Cuando Cubango, concretamente os municípios do Calai, Cuangar, Dirico, Mavinga e Rivungo, equipas de vigilância em todo país, com maior ênfase às regiões limítrofes desta província, para controlar a sua propagação.

Em declarações à imprensa, nesta terça-feira, no final da sua visita de constatação de condições materiais existentes para o combate e agenda de actuação das zonas afectadas, o secretário de Estado da Agricultura, João Cunha, assegurou haver sinais de alastramento da praga, mas existem meios que irão permitir combater com celeridade, tendo em conta a experiência a ser obtida no Cuando Cubango.

Para o efeito, as províncias, com realce para as limítrofes, no caso Huíla, Cunene, Bié e Moxico, terão uma equipa e no Cuando Cubango algumas já estão em funcionamento e, a tempo útil, deverão fornecer a informação necessária para a tomada de decisão no combate à praga, que tem um comportamento anormal e não está concentrada num único local e tem uma grande mobilidade.

Para além da perspectiva do ataque imediato, que é tónica dominante, esta primeira fase, com o arranque previsto para esta sexta-feira, através da formação de oito técnicos dos municípios das zonas atingidas, o ministério irá montar um sistema de vigilância que permitirá observar, de forma detalhada, a evolução da mesma e responder de forma adequada.

Na segunda fase estarão envolvidas organizações das Nações Unidas, fundamentalmente o Fundo das Nações Unidas para Alimentação (FAO), num processo que será mais persistente.

Enquanto isso, o governo tomou a decisão de se avançar já no sentido de reduzir-se a propagação da praga, que está a afectar o território, por formas a combater e reduzir os danos que estão a ser causados em determinadas culturas.

O secretário de Estado informou que para as zonas de difícil acesso e afectadas pela praga, se está a trabalhar em colaboração com a Força Aérea Nacional para o combate via aérea, utilizando uma aeronave já disponível para se fazer a intervenção.

Um total de dois mil litros de insecticidas, quinze pulverizadores, quatro máquinas atomizadoras mecânicas, cinquenta equipamentos de protecção individual e três viaturas de marca Toyota Land-Cruiser, foram entregues pelo ministério da Agricultura ao governo provincial do Cuando Cubango para o combate à praga.

Os meios representam a resposta do governo angolano nos esforços tendentes a combater a praga de gafanhotos que afectou mais de 20 mil pessoas camponesas.
 

Em declarações à imprensa, nesta terça-feira, no final da sua visita de constatação de condições materiais existentes para o combate e agenda de actuação das zonas afectadas, o secretário de Estado da Agricultura, João Cunha, assegurou haver sinais de alastramento da praga, mas existem meios que irão permitir combater com celeridade, tendo em conta a experiência a ser obtida no Cuando Cubango.

Para o efeito, as províncias, com realce para as limítrofes, no caso Huíla, Cunene, Bié e Moxico, terão uma equipa e no Cuando Cubango algumas já estão em funcionamento e, a tempo útil, deverão fornecer a informação necessária para a tomada de decisão no combate à praga, que tem um comportamento anormal e não está concentrada num único local e tem uma grande mobilidade.

Para além da perspectiva do ataque imediato, que é tónica dominante, esta primeira fase, com o arranque previsto para esta sexta-feira, através da formação de oito técnicos dos municípios das zonas atingidas, o ministério irá montar um sistema de vigilância que permitirá observar, de forma detalhada, a evolução da mesma e responder de forma adequada.

Na segunda fase estarão envolvidas organizações das Nações Unidas, fundamentalmente o Fundo das Nações Unidas para Alimentação (FAO), num processo que será mais persistente.

Enquanto isso, o governo tomou a decisão de se avançar já no sentido de reduzir-se a propagação da praga, que está a afectar o território, por formas a combater e reduzir os danos que estão a ser causados em determinadas culturas.

O secretário de Estado informou que para as zonas de difícil acesso e afectadas pela praga, se está a trabalhar em colaboração com a Força Aérea Nacional para o combate via aérea, utilizando uma aeronave já disponível para se fazer a intervenção.

Um total de dois mil litros de insecticidas, quinze pulverizadores, quatro máquinas atomizadoras mecânicas, cinquenta equipamentos de protecção individual e três viaturas de marca Toyota Land-Cruiser, foram entregues pelo ministério da Agricultura ao governo provincial do Cuando Cubango para o combate à praga.

Os meios representam a resposta do governo angolano nos esforços tendentes a combater a praga de gafanhotos que afectou mais de 20 mil pessoas camponesas.