Produtores informados sobre acesso a 60 milhões de dólares do PDAC

  • Fazenda Agro Industrial De Camacupa, província do  Bié
Sumbe – O Projecto de Desenvolvimento da Agricultura Comercial (PDAC) informou, hoje, no Sumbe, província do Cuanza Sul, as modalidades do acesso ao financiamento, com fundos perdidos, de 60 milhões de dólares disponíveis para os produtores de pequenas e médias empresas agrícolas.

O valor financeiro cedidos pelo Banco Mundial (BM) e a Agência Francesa de Desenvolvimento ao Governo de Angola visa financiar de forma directa  e comparticipada a cadeia de produção das pequenas e médias empresas agrícolas e melhorar o acesso ao mercado até 2022.

Do valor global do projecto, os pequenos projectos têm uma cobertura de 150 mil dólares nos quais o PDAC cede 50 por cento, o produtor comparticipa com 10 por cento e  40 por cento cabe aos bancos comerciais, entre os quais Banco de Fomento Angola, (BFA), Banco de Negócios Internacional (BNI) e o Banco Sol, enquanto os grande projectos vão até um milhão de dólares.

A cedência ao financiamento é feita através de uma análise feita por uma equipa multisectorial descartando desta maneira os produtores a negociar com as instituições financeiras.    

Pretende-se aumentar a produção do milho, café, soja, feijão, ovos e frangos para os quais estão seleccionados os municípios da Quilenda, Quibala, Cela, Amboim, Mussende e Libolo.

O coordenador do PDAC, Pedro Dozi, disse, no final de um seminário, que devido as grandes potencialidades há necessidade de se interagir e fazer um levantamento dos problemas que afligem os empreenderes os seus agro-negócios.

“Pretendemos financiar, com fundos perdidos, e com a comparticipação dos produtores, os agro-negócios fiáveis com uma certa percentagem com base na transferência dos riscos para o Estado e persuadir os Bancos Comerciais que voltem a efectuar empréstimos neste domínio”, realçou.

Para o efeito, continuou, é necessário que os produtores mostrem comprometimento com os planos de negócios que apresentados e, desta forma, apresentar uma manifestação de interesse para ser submetido as instituições financeiras.

Avançou que 160 produtores manifestam interesse em obter o financiamento.

Durante o seminário foram abordados assuntos como “ áreas geográficas e cadeia de valor”, “assistência técnica especializada”, “o financiamento e a comparticipação” e “ salvaguarda sociais e ambiental”.
 

O valor financeiro cedidos pelo Banco Mundial (BM) e a Agência Francesa de Desenvolvimento ao Governo de Angola visa financiar de forma directa  e comparticipada a cadeia de produção das pequenas e médias empresas agrícolas e melhorar o acesso ao mercado até 2022.

Do valor global do projecto, os pequenos projectos têm uma cobertura de 150 mil dólares nos quais o PDAC cede 50 por cento, o produtor comparticipa com 10 por cento e  40 por cento cabe aos bancos comerciais, entre os quais Banco de Fomento Angola, (BFA), Banco de Negócios Internacional (BNI) e o Banco Sol, enquanto os grande projectos vão até um milhão de dólares.

A cedência ao financiamento é feita através de uma análise feita por uma equipa multisectorial descartando desta maneira os produtores a negociar com as instituições financeiras.    

Pretende-se aumentar a produção do milho, café, soja, feijão, ovos e frangos para os quais estão seleccionados os municípios da Quilenda, Quibala, Cela, Amboim, Mussende e Libolo.

O coordenador do PDAC, Pedro Dozi, disse, no final de um seminário, que devido as grandes potencialidades há necessidade de se interagir e fazer um levantamento dos problemas que afligem os empreenderes os seus agro-negócios.

“Pretendemos financiar, com fundos perdidos, e com a comparticipação dos produtores, os agro-negócios fiáveis com uma certa percentagem com base na transferência dos riscos para o Estado e persuadir os Bancos Comerciais que voltem a efectuar empréstimos neste domínio”, realçou.

Para o efeito, continuou, é necessário que os produtores mostrem comprometimento com os planos de negócios que apresentados e, desta forma, apresentar uma manifestação de interesse para ser submetido as instituições financeiras.

Avançou que 160 produtores manifestam interesse em obter o financiamento.

Durante o seminário foram abordados assuntos como “ áreas geográficas e cadeia de valor”, “assistência técnica especializada”, “o financiamento e a comparticipação” e “ salvaguarda sociais e ambiental”.