Ex-militares recebem tractores agrícolas

  • Cunene: entrega de tractores às cooperativas de ex-militares
Ondjiva – Sete cooperativas de ex-militares da província do Cunene beneficiaram, esta terça-feira, de oito tractores e respectivas alfaias.

A província do Cunene conta com oito mil 235 ex-militares, metade dos quais já integrados em oito cooperativas, distribuídas nos municípios da Cahama, Ombadja, Namacunde, Curoca e Cuvelai, que têm vindo já a receber apoios nos ramos da agro-pecuária, comércio e artes e ofícios.

As organizações beneficiadas produzem massango, massambala, milho, feijão, abóbora, batata-doce e rena, cana-de-açúcar e hortícolas, que servem para o sustento familiar e comercialização.

Na ocasião, o secretário de Estado para Acção Social, Lúcio Gonçalves Amaral, sublinhou que a entrega dos meios resulta da promessa feita em 2020, pelo Presidente da República, João Lourenço, sobre a distribuição de tractores às cooperativas dos ex-militares nas 18 províncias do país.

Explicou que os equipamentos distribuídos vêm para substituir o trabalho de lavoura feito pelos camponeses, de forma manual, com enxadas e tracção animal, no sentido de aumentar os níveis de produção.

Lúcio Amaral fez saber que as cooperativas dos ex-militares podem apoiar, com estes meios, os campos agrícolas e as comunidades à volta, para aumentarem também a sua produção.

Por seu turno, o governador em exercício no Cunene, Apolo Ndinoulenga, disse que a acção é uma medida impulsionadora à diversificação da economia, combate à pobreza e garantia da segurança alimentar das famílias.

Afirmou que  o gesto do Executivo angolano vem responder ao  compromisso atinente a reintegração dos ex-militares, com vista a conferir dignidade aos defensores da soberania do país, da paz, democracia e desenvolvimento nacional.

“Vamos assumir o compromisso de acompanharmos o processo produtivo das cooperativas contempladas com os tractores, para que o objectivo seja efectivamente alcançado”, afirmou.

Apolo Ndinoulenga aconselhou outros ex-militares a organizarem-se em cooperativas, reunindo processos para o efeito, nas instituições apropriadas e legalização das suas terras, para não ficarem de fora nos próximos apoios.

Depois do Cunene, segue-se a província do Namibe, numa distribuição que já ocorreu no Bengo, Cuanza Norte, Malanje, Huíla, Cuanza Sul, Benguela, Huambo, Huíla, Bié e Cuando Cubango.

Os meios fazem parte de um lote de 500 tractores, que o Executivo prometeu distribuir às cooperativas agrícolas de ex-militares.

A província do Cunene conta com oito mil 235 ex-militares, metade dos quais já integrados em oito cooperativas, distribuídas nos municípios da Cahama, Ombadja, Namacunde, Curoca e Cuvelai, que têm vindo já a receber apoios nos ramos da agro-pecuária, comércio e artes e ofícios.

As organizações beneficiadas produzem massango, massambala, milho, feijão, abóbora, batata-doce e rena, cana-de-açúcar e hortícolas, que servem para o sustento familiar e comercialização.

Na ocasião, o secretário de Estado para Acção Social, Lúcio Gonçalves Amaral, sublinhou que a entrega dos meios resulta da promessa feita em 2020, pelo Presidente da República, João Lourenço, sobre a distribuição de tractores às cooperativas dos ex-militares nas 18 províncias do país.

Explicou que os equipamentos distribuídos vêm para substituir o trabalho de lavoura feito pelos camponeses, de forma manual, com enxadas e tracção animal, no sentido de aumentar os níveis de produção.

Lúcio Amaral fez saber que as cooperativas dos ex-militares podem apoiar, com estes meios, os campos agrícolas e as comunidades à volta, para aumentarem também a sua produção.

Por seu turno, o governador em exercício no Cunene, Apolo Ndinoulenga, disse que a acção é uma medida impulsionadora à diversificação da economia, combate à pobreza e garantia da segurança alimentar das famílias.

Afirmou que  o gesto do Executivo angolano vem responder ao  compromisso atinente a reintegração dos ex-militares, com vista a conferir dignidade aos defensores da soberania do país, da paz, democracia e desenvolvimento nacional.

“Vamos assumir o compromisso de acompanharmos o processo produtivo das cooperativas contempladas com os tractores, para que o objectivo seja efectivamente alcançado”, afirmou.

Apolo Ndinoulenga aconselhou outros ex-militares a organizarem-se em cooperativas, reunindo processos para o efeito, nas instituições apropriadas e legalização das suas terras, para não ficarem de fora nos próximos apoios.

Depois do Cunene, segue-se a província do Namibe, numa distribuição que já ocorreu no Bengo, Cuanza Norte, Malanje, Huíla, Cuanza Sul, Benguela, Huambo, Huíla, Bié e Cuando Cubango.

Os meios fazem parte de um lote de 500 tractores, que o Executivo prometeu distribuir às cooperativas agrícolas de ex-militares.