Exportações do pescado rendem USD 35 milhões em seis meses

  • Diversos tipos de peixe (Foto ilustração)
Luanda – A exportação de 15 mil toneladas de crustáceos e moluscos, no primeiro semestre deste ano, permitiu ao país a arrecadação de cerca 35 milhões de dólares, representando um incremento de 50 por cento, comparativamente a igual período de 2020.

A maior parte dessa exportação teve como destino países da União Europeia (UE), com destaque para a Espanha, e da Ásia (China e Japão), que importam, fundamentalmente, os crustáceos e moluscos de Angola, confirmou esta sexta-feira, em Luanda, a secretária de Estado para as Pescas, Esperança da Costa. 

Em entrevista à ANGOP a propósito do desenvolvimento da actividade pesqueira no país, a dirigente apontou ainda o Gabão e a República do Congo (África) como os países que, essencialmente, importam as sardinelas, cavalas e outras espécies de Angola. 

Quanto aos níveis de captura de 2020, o sector registou duas mil 808 toneladas de crustáceos (camarão, lagostas, gambas e caranguejos), mil 260 de moluscos (lulas, polvos, caramujos e caracóis) e nove mil 37 toneladas de diversas espécies do pescado nacional. 

Comparativamente ao ano de 2019, os produtos da pesca exportados também centraram-se em crustáceos (2.009 toneladas), moluscos (2.015), peixes diversos (4.098 toneladas) e farinha de peixe (1.200 toneladas), totalizando 7.522 toneladas de pescados, segundo a fonte. 

No total, Angola produziu 525 mil 143 toneladas de pescado diverso, de Julho de 2020 a igual período de 2021, contra 366 mil 763 toneladas do período anterior, indicam dados apresentados pelo Presidente da República, João Lourenço, por ocasião da Mensagem à Nação.   

A maior parte dessa exportação teve como destino países da União Europeia (UE), com destaque para a Espanha, e da Ásia (China e Japão), que importam, fundamentalmente, os crustáceos e moluscos de Angola, confirmou esta sexta-feira, em Luanda, a secretária de Estado para as Pescas, Esperança da Costa. 

Em entrevista à ANGOP a propósito do desenvolvimento da actividade pesqueira no país, a dirigente apontou ainda o Gabão e a República do Congo (África) como os países que, essencialmente, importam as sardinelas, cavalas e outras espécies de Angola. 

Quanto aos níveis de captura de 2020, o sector registou duas mil 808 toneladas de crustáceos (camarão, lagostas, gambas e caranguejos), mil 260 de moluscos (lulas, polvos, caramujos e caracóis) e nove mil 37 toneladas de diversas espécies do pescado nacional. 

Comparativamente ao ano de 2019, os produtos da pesca exportados também centraram-se em crustáceos (2.009 toneladas), moluscos (2.015), peixes diversos (4.098 toneladas) e farinha de peixe (1.200 toneladas), totalizando 7.522 toneladas de pescados, segundo a fonte. 

No total, Angola produziu 525 mil 143 toneladas de pescado diverso, de Julho de 2020 a igual período de 2021, contra 366 mil 763 toneladas do período anterior, indicam dados apresentados pelo Presidente da República, João Lourenço, por ocasião da Mensagem à Nação.