FAO apoia 51 escolas de campo na Caála

  • MASFAMU, Faustina Alves
Caála – A Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) disponibilizou, esta quarta-feira, 11 milhões 577 mil Kwanzas para apoiar 51 escolas de campo do município da Caála, província do Huambo, soube a ANGOP.

A iniciativa visa beneficiar mil e 500 famílias do município, localizado a 23 quilómetros a oeste da cidade do Huambo.

O coordenador nacional da FAO, César Valência, disse que os fundos, resultantes de uma parceria entre o Governo angolano e o Banco Mundial, serão geridos pelos camponeses, a fim de dinamizar as escolas de campo e aumentar os níveis da produção agrícola.

Informou que a FAO pretende, este ano, potenciar 200 escolas de campo no município da Caála, num universo de seis mil famílias camponesas, de modo a estimular a produção agrícola, com foco no reforço da segurança alimentar e combate à pobreza.

César Valência disse que a FAO reforça, com este montante, os projectos do MOSAP II, através da criação de quatro mil escolas de campo nas 78 comunas das províncias do Bié, Huambo e Malanje, onde está em implementação o programa, para beneficiar 142 mil famílias camponesas.

O responsável explicou que as escolas de campos foram introduzidas em Angola pela FAO, em parceria com o Instituto de Desenvolvimento Agrário (IDA), para estimular a produção agrícola de qualidade e rentável para as comunidades rurais.

“Estas escolas são unidades sem paredes onde os agricultores familiares aprendem a fazer, observar, analisar, trocar experiências e tomar decisões para resolver os problemas técnicos/produtivos”, precisou.

Fez saber que cada escola de campo, constituída por 30 membros, deverá beneficiar de 227 mil Kwanzas para aumentar a produção de hortícolas, batata, milho, feijão, mandioca e frutícolas.

Em nome das autoridades locais, a directora da Agricultura na Caála, Fátima André, agradeceu a iniciativa da FAO e apelou as famílias camponeses a gerirem os valores com inteligência, a fim de reforçarem as suas caixas comunitárias.

A iniciativa visa beneficiar mil e 500 famílias do município, localizado a 23 quilómetros a oeste da cidade do Huambo.

O coordenador nacional da FAO, César Valência, disse que os fundos, resultantes de uma parceria entre o Governo angolano e o Banco Mundial, serão geridos pelos camponeses, a fim de dinamizar as escolas de campo e aumentar os níveis da produção agrícola.

Informou que a FAO pretende, este ano, potenciar 200 escolas de campo no município da Caála, num universo de seis mil famílias camponesas, de modo a estimular a produção agrícola, com foco no reforço da segurança alimentar e combate à pobreza.

César Valência disse que a FAO reforça, com este montante, os projectos do MOSAP II, através da criação de quatro mil escolas de campo nas 78 comunas das províncias do Bié, Huambo e Malanje, onde está em implementação o programa, para beneficiar 142 mil famílias camponesas.

O responsável explicou que as escolas de campos foram introduzidas em Angola pela FAO, em parceria com o Instituto de Desenvolvimento Agrário (IDA), para estimular a produção agrícola de qualidade e rentável para as comunidades rurais.

“Estas escolas são unidades sem paredes onde os agricultores familiares aprendem a fazer, observar, analisar, trocar experiências e tomar decisões para resolver os problemas técnicos/produtivos”, precisou.

Fez saber que cada escola de campo, constituída por 30 membros, deverá beneficiar de 227 mil Kwanzas para aumentar a produção de hortícolas, batata, milho, feijão, mandioca e frutícolas.

Em nome das autoridades locais, a directora da Agricultura na Caála, Fátima André, agradeceu a iniciativa da FAO e apelou as famílias camponeses a gerirem os valores com inteligência, a fim de reforçarem as suas caixas comunitárias.