Praga de gafanhotos devora 17 lavras em Ohongo

Ondjiva - Dezassete lavras de cultura de massango, massambala e milho foram destruidas pela praga de gafanhotos, na localidade de Ohongo, municipio do Namacunde, que província do Cunene.

Os gafanhotos assolam, desde  sexta-feira, a  província do Cunene, sendo as localidades de Oifidi e Oipembe, nos municípios de Namacunde e Ondjiva, respectivamente, as mais afectadas.

Em declarações à Angop,  o director do Gabinete da Agricultura no Cunene, disse  tratar-se apenas de  dados preliminares do município de Namacunde.

Explicou que decorrem trabalhos, em colaboração com as autoridades tradicionais,   para se apurarem o número real de lavras destruídas, bem como a quantidade da produção.

Pedro Tiberio encorajou  a  população a usar   ramos para afastar os insectos   dos campos de cultivo, enquanto se aguardam  pela resposta do Ministério da Agricultura,  que já foi notificado.

Lembrou que a utilização de meios aéreos para pulverizar as lavras deverá ser a medida mais eficaz.

O administrador do município do Cuanhama, Eugénio Ndamonapossi, disse que  estão a trabalhar com dificuldades para contar  as  lavras afectadas,   devido as enchentes de água nas chanas.

"Mesmo assim, os sobas foram  mobilizados, via telefone, a  registarem  os danos causados nas lavras, para nos apresentarem e falarmos com propriedade", afirmou.

O surgimento da praga na província, que já enfrentou um período de seca,  poderá comprometer a esperança das poucas  colheitas das famílias camponesas,

Trata-se de um tipo de praga que já se registou, este ano, na província do Cuando Cubango e em algumas províncias da vizinha Namíbia.

 

 

Os gafanhotos assolam, desde  sexta-feira, a  província do Cunene, sendo as localidades de Oifidi e Oipembe, nos municípios de Namacunde e Ondjiva, respectivamente, as mais afectadas.

Em declarações à Angop,  o director do Gabinete da Agricultura no Cunene, disse  tratar-se apenas de  dados preliminares do município de Namacunde.

Explicou que decorrem trabalhos, em colaboração com as autoridades tradicionais,   para se apurarem o número real de lavras destruídas, bem como a quantidade da produção.

Pedro Tiberio encorajou  a  população a usar   ramos para afastar os insectos   dos campos de cultivo, enquanto se aguardam  pela resposta do Ministério da Agricultura,  que já foi notificado.

Lembrou que a utilização de meios aéreos para pulverizar as lavras deverá ser a medida mais eficaz.

O administrador do município do Cuanhama, Eugénio Ndamonapossi, disse que  estão a trabalhar com dificuldades para contar  as  lavras afectadas,   devido as enchentes de água nas chanas.

"Mesmo assim, os sobas foram  mobilizados, via telefone, a  registarem  os danos causados nas lavras, para nos apresentarem e falarmos com propriedade", afirmou.

O surgimento da praga na província, que já enfrentou um período de seca,  poderá comprometer a esperança das poucas  colheitas das famílias camponesas,

Trata-se de um tipo de praga que já se registou, este ano, na província do Cuando Cubango e em algumas províncias da vizinha Namíbia.