Praga de gafanhotos já danificou 209 lavras

  • Praga de gafanhotos no Cunene
Ondjiva - A praga de gafanhotos que se instalou há três dias na província do Cunene já danificou 209 lavras nos municípios da Namacunde, Cuanhama e Ombadja, seguindo agora em direcção ao marco 12 e 14, na fronteira Angola/Namíbia.

A informação foi prestada nesta segunda-feira pela governadora do Cunene, Gerdina Didalelwa, no encontro que manteve com a equipa técnica multissectorial, criada de emergência pelo Executivo para enfrentar este fenómeno.

Na ocasião, o secretário de Estado para Agricultura, João Manuel da Cunha, informou que o combate a praga começa ainda esta semana, devendo a qualquer momento chegar à província os meios, incluindo aéreos, para esta tarefa,

O surgimento da praga na província, que já enfrentou um período de seca,  poderá comprometer a esperança das poucas  colheitas das culturas, concretamente do massango, produto mais consumido na região.

A vaga de gafanhotos, que atinge cinco países da região Austral de África, surge devido às alterações climáticas, que estão a influenciar a reprodução dos gafanhotos de forma massiva, afectando, desta feita, os campos agrícolas e pastos.

Em Angola, no princípio, estava restringida apenas à província do Cuando Cubango, concretamente, nos municípios do Dirico, Rivungo, Calai, Cuangar e Mavinga, tendo expandido, sexta-feira, para a província do Cunene.

A informação foi prestada nesta segunda-feira pela governadora do Cunene, Gerdina Didalelwa, no encontro que manteve com a equipa técnica multissectorial, criada de emergência pelo Executivo para enfrentar este fenómeno.

Na ocasião, o secretário de Estado para Agricultura, João Manuel da Cunha, informou que o combate a praga começa ainda esta semana, devendo a qualquer momento chegar à província os meios, incluindo aéreos, para esta tarefa,

O surgimento da praga na província, que já enfrentou um período de seca,  poderá comprometer a esperança das poucas  colheitas das culturas, concretamente do massango, produto mais consumido na região.

A vaga de gafanhotos, que atinge cinco países da região Austral de África, surge devido às alterações climáticas, que estão a influenciar a reprodução dos gafanhotos de forma massiva, afectando, desta feita, os campos agrícolas e pastos.

Em Angola, no princípio, estava restringida apenas à província do Cuando Cubango, concretamente, nos municípios do Dirico, Rivungo, Calai, Cuangar e Mavinga, tendo expandido, sexta-feira, para a província do Cunene.