Preparados mais de 400 hectares para agrojovem no Cuanza Norte

Luanda – Mais de quatrocentos hectares de terras aráveis para a prática da actividade agrícola estão em preparação na província do Cuanza Norte, no âmbito do projecto Agro-jovem, informou quarta-feira o Governador Local Adriano Mendes de Carvalho.

O projecto visa melhorar o aproveitamento de terras aráveis existentes na província e inserir os jovens na vida produtiva, de modo a contribuírem nas acções de combate à fome e à pobreza.

Sem revelar custos, Adriano Mendes de Carvalho disse estarem assegurados o financiamento para os jovens investidores que pretenderem apostar na agricultura, um sector chave para o desenvolvimento local e do país, em geral.

Face ao potencial da província,  disse estarem ainda em curso várias estratégias para a inserção dos jovens em acções de fomento da produção de pintos e ovos.

Ao intervir na mesma reunião, o director do gabinete provincial de Planeamento e Estatística, Edunildo Teixeira informou que o governo local aplicou cerca de 500 milhões de kwanzas  para apoio à actividade agrícola,  no quadro das acções de combate à pobreza e reintegração social dos ex-militares.

Dos 500 milhões, esclareceu, foram investidos 50 milhões em acções de mecanização agrícola, aquisição de imputs, distribuídos a 17 mil 282 famílias camponesas, organizadas em cooperativas.

Estas famílias, continuou, têm em perspectiva a preparação no ano agrícola 2020/2021, cerca de  47.090 hectares,  dos  quais 550 com recurso à mecanização.

Em termos de produção, as autoridades projectam uma safra de 479.049 toneladas de produtos diversos, com realce para 431 mil e 300 toneladas de mandioca, 27 mil e 60  de batata-doce, 6.325 de batata e 6.750 de hortícolas.

No quadro do apoio aos camponeses, o Instituto de Desenvolvimento Agrário (IDA) criou 352 campos de demonstração e 33 escolas de campo, para preparação de terra.

 

O projecto visa melhorar o aproveitamento de terras aráveis existentes na província e inserir os jovens na vida produtiva, de modo a contribuírem nas acções de combate à fome e à pobreza.

Sem revelar custos, Adriano Mendes de Carvalho disse estarem assegurados o financiamento para os jovens investidores que pretenderem apostar na agricultura, um sector chave para o desenvolvimento local e do país, em geral.

Face ao potencial da província,  disse estarem ainda em curso várias estratégias para a inserção dos jovens em acções de fomento da produção de pintos e ovos.

Ao intervir na mesma reunião, o director do gabinete provincial de Planeamento e Estatística, Edunildo Teixeira informou que o governo local aplicou cerca de 500 milhões de kwanzas  para apoio à actividade agrícola,  no quadro das acções de combate à pobreza e reintegração social dos ex-militares.

Dos 500 milhões, esclareceu, foram investidos 50 milhões em acções de mecanização agrícola, aquisição de imputs, distribuídos a 17 mil 282 famílias camponesas, organizadas em cooperativas.

Estas famílias, continuou, têm em perspectiva a preparação no ano agrícola 2020/2021, cerca de  47.090 hectares,  dos  quais 550 com recurso à mecanização.

Em termos de produção, as autoridades projectam uma safra de 479.049 toneladas de produtos diversos, com realce para 431 mil e 300 toneladas de mandioca, 27 mil e 60  de batata-doce, 6.325 de batata e 6.750 de hortícolas.

No quadro do apoio aos camponeses, o Instituto de Desenvolvimento Agrário (IDA) criou 352 campos de demonstração e 33 escolas de campo, para preparação de terra.