Subvenção de fertilizantes prioriza camponeses carenciados

Caála – A venda subvencionada do primeiro lote de fertilizantes, num total de 66 toneladas, vai dar primazia a 330 famílias camponesas mais necessitadas do município da Caála, província do Huambo.

Tratar-se do primeiro lote de fertilizantes, cuja distribuição está a decorrer, de forma faseada, para abranger maior número possível de famílias camponeses com maiores dificuldades financeiras. 

De acordo com o director da Estação de Desenvolvimento Agrícola (EDA), Pinto Bulica, o início da comercialização dos fertilizantes está previsto para este mês, ao preço de cinco mil kwanzas, o saco de 50 quilogramas de adubo, com o objectivo de estimular a produção agrícola.

Os produtos  já se encontram disponíveis no município da Caála, de modo a serem distribuídas às famílias camponesas consideradas vulneráveis, numa estratégia que visa reforçar as políticas de combate à pobreza e aumentar a renda familiar. 

Pinto Bulica informou  que, apesar de serem quantidades insuficientes, a EDA priorizou os camponeses com maior dificuldade financeira, para avançarem com os projectos agrícolas, bem como aumentar à produção local, para o fomento económico-social na localidade.

Explicou que as cooperativas e associações de camponeses com nível financeiro aceitável, através de um esforço próprio, deverão adquirir os fertilizantes para a produção agrícola, sem qualquer subvenção institucional.

Em 2019, a EDA havia distribuído 370 toneladas de fertilizantes às cooperativas e associações de camponeses do município da Caála.

Tratar-se do primeiro lote de fertilizantes, cuja distribuição está a decorrer, de forma faseada, para abranger maior número possível de famílias camponeses com maiores dificuldades financeiras. 

De acordo com o director da Estação de Desenvolvimento Agrícola (EDA), Pinto Bulica, o início da comercialização dos fertilizantes está previsto para este mês, ao preço de cinco mil kwanzas, o saco de 50 quilogramas de adubo, com o objectivo de estimular a produção agrícola.

Os produtos  já se encontram disponíveis no município da Caála, de modo a serem distribuídas às famílias camponesas consideradas vulneráveis, numa estratégia que visa reforçar as políticas de combate à pobreza e aumentar a renda familiar. 

Pinto Bulica informou  que, apesar de serem quantidades insuficientes, a EDA priorizou os camponeses com maior dificuldade financeira, para avançarem com os projectos agrícolas, bem como aumentar à produção local, para o fomento económico-social na localidade.

Explicou que as cooperativas e associações de camponeses com nível financeiro aceitável, através de um esforço próprio, deverão adquirir os fertilizantes para a produção agrícola, sem qualquer subvenção institucional.

Em 2019, a EDA havia distribuído 370 toneladas de fertilizantes às cooperativas e associações de camponeses do município da Caála.