MED incentiva aposta na educação ambiental

  • Ministra da Educação,  Luísa Grilo
Moçâmedes - A ministra da Educação, Luísa Grilo, incentivou, esta quarta-feira, em Moçâmedes, os educadores, alfabetizadores e outros actores do processo de ensino a apostarem na educação ambiental.

Esta aposta, segundo a ministra, deve passar necessariamente pela criação de políticas de educação ambiental, com campanhas de plantação de árvores e sua manutenção, permitindo que as crianças e adolescentes possam ter noção dos cuidados a ter com a natureza.

O incentivo foi feito pela ministra na localidade da Macala Tchipate, município de Moçâmedes, onde visitou uma escola de quatro salas de aulas totalmente concluída, no bairro "4 de Março", que aguarda inauguração, financiada pelo Banco BNI, no valor de 180 milhões de kwanzas.

Luísa Grilo visitou igualmente as obras de construção de uma outra escola, de seis salas de aulas, onde participou numa campanha de plantação de árvores. 

“Estas iniciativas devem ser aproveitadas e servem de educação ambiental para as crianças, pois quanto mais cedo começarmos a falar do ambiente melhor será para um equilíbrio ambiental, para vivermos bem“, disse a ministra.

Afirmou existir um compromisso assinado sobre o ambiente, uma forma que o Estado encontrou para conseguir um equilíbrio ambiental, partindo da educação das crianças.

Luísa Grilo aconselhou o director do Gabinete Provincial do Ambiente a criar programas que visem a abertura de cursos de gestão ambiental, tendo em conta a existência de indústria extractiva, que explora recursos e muitas delas sem nenhum cuidado com o meio ambiente.

“A criação de cursos de educação ambiental e a gestão dos resíduos sólidos devem fazer parte, muito cedo, da educação nas escolas”, acrescentou.

Sugeriu que, futuramente e com projetos bem definidos, a província do Namibe possa abrir um curso de turismo e de restauração. "Estamos aqui para apoiar e esta é a nossa missão, porque os cursos devem aparecer ali onde são uma mais-valia“, reforçou.

Luísa Grilo salientou que cada província deve definir os cursos que pretende, em função da oferta formativa, com escolas nas especialidades de ensino secundário e técnico-profissional e politécnico.

Na localidade foram plantadas cem árvores da espécie acácia.

Esta aposta, segundo a ministra, deve passar necessariamente pela criação de políticas de educação ambiental, com campanhas de plantação de árvores e sua manutenção, permitindo que as crianças e adolescentes possam ter noção dos cuidados a ter com a natureza.

O incentivo foi feito pela ministra na localidade da Macala Tchipate, município de Moçâmedes, onde visitou uma escola de quatro salas de aulas totalmente concluída, no bairro "4 de Março", que aguarda inauguração, financiada pelo Banco BNI, no valor de 180 milhões de kwanzas.

Luísa Grilo visitou igualmente as obras de construção de uma outra escola, de seis salas de aulas, onde participou numa campanha de plantação de árvores. 

“Estas iniciativas devem ser aproveitadas e servem de educação ambiental para as crianças, pois quanto mais cedo começarmos a falar do ambiente melhor será para um equilíbrio ambiental, para vivermos bem“, disse a ministra.

Afirmou existir um compromisso assinado sobre o ambiente, uma forma que o Estado encontrou para conseguir um equilíbrio ambiental, partindo da educação das crianças.

Luísa Grilo aconselhou o director do Gabinete Provincial do Ambiente a criar programas que visem a abertura de cursos de gestão ambiental, tendo em conta a existência de indústria extractiva, que explora recursos e muitas delas sem nenhum cuidado com o meio ambiente.

“A criação de cursos de educação ambiental e a gestão dos resíduos sólidos devem fazer parte, muito cedo, da educação nas escolas”, acrescentou.

Sugeriu que, futuramente e com projetos bem definidos, a província do Namibe possa abrir um curso de turismo e de restauração. "Estamos aqui para apoiar e esta é a nossa missão, porque os cursos devem aparecer ali onde são uma mais-valia“, reforçou.

Luísa Grilo salientou que cada província deve definir os cursos que pretende, em função da oferta formativa, com escolas nas especialidades de ensino secundário e técnico-profissional e politécnico.

Na localidade foram plantadas cem árvores da espécie acácia.