Afrobasket2021: Angola com presença negativa – Walter Costa  

  • Waltar Costa - técnico da selecção sénior feminina de basquetebol
Luanda – A impossibilidade da Selecção Nacional sénior feminina de basquetebol melhorar o quinto lugar da edição anterior, no actual 27º Afrobasket2021 de Yaoundé, nos Camarões, foi considerada de participação negativa pelo treinador Walter Costa, que também pediu desculpas ao povo angolano.    

Em declarações à imprensa, após final da prova, disputada de 17 a 26 do corrente, vencida pela Nigéria diante do Mali, por 70-59, o técnico admitiu ser um fracasso, já que o seu conjunto piorou a classificação de Dakar2019, no Senegal.  

Acrescentou que, o objectivo era melhorar o quinto lugar da edição passada, mas foram contrariadas pela postura das outras adversárias, que se apresentaram nas suas melhores formas desportivas.

“As jogadoras acusaram uma certa recaída psicológica, quando viram-se impossibilitadas de atingir o objectivo. O oitavo lugar não é o que Angola augurava, na medida em que procurávamos dar alegria ao país. Por isso, foi um resultado negativo e peço desculpas ao povo angolano”, disse.                    

Angola, que já conquistou os Afrobaskets de Bamako2011 e Maputo2013, classificou-se na oitava posição de Yaoundé2021, após perder, sábado, diante da Cote d´Ivoire, por 57-62.    

Boa parte das jogadoras teve fraca actuação. Além de Avelina Peso, apenas a base Italee Lucas atingiu dois dígitos ao anotar 10 pontos. Em 25 minutos e 34 segundos em campo, esta teve ainda dois ressaltos e uma assistência.

A base Rosa Gala foi a jogadora mais utilizada (32:32) e fez oito pontos, Regina Peso converteu cinco pontos, em 28:12, a poste Cristina Matiquite (5:28) e a extremo Clarisse Mpaka (7:10) anotaram apenas dois cada, ao passo que a triplista Ana Gonçalves (8:25) e a poste Whitney Miguel (8:36), que actua em França, não pontuaram.

A selecção falhou o objectivo numa prova em que obteve duas vitórias e consentiu quatro derrotas, em seis jogos, marcou 403 pontos e sofreu 429. Contrariamente ao masculino, que teve preparação no exterior, para o Afrobasket2021 de Kigali, no Rwanda, a feminina treinou apenas no país.       

Moçambique, que antes era a quarta classificada, ficou em quinto lugar, apesar de uma preparação atribulada, que também perigava a sua presença. A Cote d’Ivoire ocupou o sétimo posto. A Nigéria revalida o título continental.   

 

Em declarações à imprensa, após final da prova, disputada de 17 a 26 do corrente, vencida pela Nigéria diante do Mali, por 70-59, o técnico admitiu ser um fracasso, já que o seu conjunto piorou a classificação de Dakar2019, no Senegal.  

Acrescentou que, o objectivo era melhorar o quinto lugar da edição passada, mas foram contrariadas pela postura das outras adversárias, que se apresentaram nas suas melhores formas desportivas.

“As jogadoras acusaram uma certa recaída psicológica, quando viram-se impossibilitadas de atingir o objectivo. O oitavo lugar não é o que Angola augurava, na medida em que procurávamos dar alegria ao país. Por isso, foi um resultado negativo e peço desculpas ao povo angolano”, disse.                    

Angola, que já conquistou os Afrobaskets de Bamako2011 e Maputo2013, classificou-se na oitava posição de Yaoundé2021, após perder, sábado, diante da Cote d´Ivoire, por 57-62.    

Boa parte das jogadoras teve fraca actuação. Além de Avelina Peso, apenas a base Italee Lucas atingiu dois dígitos ao anotar 10 pontos. Em 25 minutos e 34 segundos em campo, esta teve ainda dois ressaltos e uma assistência.

A base Rosa Gala foi a jogadora mais utilizada (32:32) e fez oito pontos, Regina Peso converteu cinco pontos, em 28:12, a poste Cristina Matiquite (5:28) e a extremo Clarisse Mpaka (7:10) anotaram apenas dois cada, ao passo que a triplista Ana Gonçalves (8:25) e a poste Whitney Miguel (8:36), que actua em França, não pontuaram.

A selecção falhou o objectivo numa prova em que obteve duas vitórias e consentiu quatro derrotas, em seis jogos, marcou 403 pontos e sofreu 429. Contrariamente ao masculino, que teve preparação no exterior, para o Afrobasket2021 de Kigali, no Rwanda, a feminina treinou apenas no país.       

Moçambique, que antes era a quarta classificada, ficou em quinto lugar, apesar de uma preparação atribulada, que também perigava a sua presença. A Cote d’Ivoire ocupou o sétimo posto. A Nigéria revalida o título continental.