AIDA realiza eleições 24 anos depois

  • Jornalistas desportivos homenageados pela AIDA
Luanda - As eleições na Associação de Imprensa Desportiva Angolana (AIDA) realizam-se no dia três de Abril, 24 anos depois do primeiro pleito que elegeu Manuel Madureira, da Rádio Nacional de Angola, como presidente da instituição.

Criada em 1997 para convergir os jornalistas desportivos angolanos em torno de um mesmo objectivo, o órgão foi, no entanto, liderado pouco tempo depois por António Ferreira "aleluia" (Jornal de Angola), falecido em Junho de 2020.

A data para as eleições foi definida durante a Assembleia Geral Ordinária realizada sábado no Centro de Formação de Jornalistas (Cefojor), em Luanda, com a participação de 25 sócios dos 41 com quotas regularizadas.

No acto, presidido por Tito Júnior (TPA), secretário da Mesa da Assembleia Geral do elenco cessante, elegeu-se para a Comissão Eleitoral os dirigentes desportivos Domingos Torres (presidente) e Tony Estraga, além da jornalista Josina de Carvalho.

Na verdade, pouco tempo depois da eleição do primeiro elenco, a AIDA deixou de funcionar em pleno, apesar do empenho do malogrado António Ferreira "aleluia", com a contribuição de uns poucos colegas, destacando-se o profissional Silva Candembo.

Nos últimos anos, membros como Honorato Silva e Sílvio Capuepue decidiram assumir a congregação da classe por via da criação de uma Comissão de Revitalização da entidade para, em primeiro lugar, tornar legal a Associação com a realização do acto de renovação de mandato.

Com 24 anos de existência, a AIDA é membro da UJSA e da AIPS.

Congregando 70 associados com carteiras internacionais é a terceira maior organização de imprensa desportiva de África, depois das congéneres do Egipto e do Ghana.

Criada em 1997 para convergir os jornalistas desportivos angolanos em torno de um mesmo objectivo, o órgão foi, no entanto, liderado pouco tempo depois por António Ferreira "aleluia" (Jornal de Angola), falecido em Junho de 2020.

A data para as eleições foi definida durante a Assembleia Geral Ordinária realizada sábado no Centro de Formação de Jornalistas (Cefojor), em Luanda, com a participação de 25 sócios dos 41 com quotas regularizadas.

No acto, presidido por Tito Júnior (TPA), secretário da Mesa da Assembleia Geral do elenco cessante, elegeu-se para a Comissão Eleitoral os dirigentes desportivos Domingos Torres (presidente) e Tony Estraga, além da jornalista Josina de Carvalho.

Na verdade, pouco tempo depois da eleição do primeiro elenco, a AIDA deixou de funcionar em pleno, apesar do empenho do malogrado António Ferreira "aleluia", com a contribuição de uns poucos colegas, destacando-se o profissional Silva Candembo.

Nos últimos anos, membros como Honorato Silva e Sílvio Capuepue decidiram assumir a congregação da classe por via da criação de uma Comissão de Revitalização da entidade para, em primeiro lugar, tornar legal a Associação com a realização do acto de renovação de mandato.

Com 24 anos de existência, a AIDA é membro da UJSA e da AIPS.

Congregando 70 associados com carteiras internacionais é a terceira maior organização de imprensa desportiva de África, depois das congéneres do Egipto e do Ghana.