Andebol angolano eliminado dos Jogos Olímpicos

  • Selecção de andebol que esteve nos Jogos Olímpicos
Luanda - A selecção nacional sénior feminina de andebol está eliminada dos Jogos Olímpicos de Tóquio (Japão) ao empatar, esta segunda-feira, com a Coreia do Sul, a 31 golos.

Com o empate, as angolanas falharam a passagem aos quartos-de-final do torneio olímpico, apesar de terem somado os mesmos três pontos da Coreia do Sul, que beneficia da vantagem de golos marcados e sofridos, no cômputo geral.

Ao intervalo, Angola vencia pela diferença mínima de 17-16, em jogo totalmente equilibrado, referente à 5ª e última jornada do grupo A.

Assim, passam à outra fase, a Noruega, com 8 pontos, Holanda (6), Montenegro (4) e Coreia do Sul (3). Angola (3) e o Japão (2) estão desqualificados.  

No desafio, marcado por sucessivas desqualificações de dois minutos fora da quadra, falhas na defesa e no ataque, a selecção até foi resiliente e teve a vitória nas mãos no derradeiro minuto, mas Natália e Isabel Guialo defraudaram.

A primeira falhou o ataque rematando contra o corpo da guarda-redes contrária e, no contra-ataque, a Coreia do Sul igualou (31-31) com menos de um minuto para o fim do embate.

Com posse de bola, as campeãs africanas beneficiaram de um livre dos sete metros nos últimos segundos, mas Isabel Guialo, a melhor marcadora da partida com 8 golos, falhou.

Isabel Guialo, Natália Bernardo e Albertina Cassoma, esta última muito fustigada pelas adversárias, não foram capazes de liderar o conjunto ao necessário triunfo e nem mesmo as defesas importantes de Helena Sousa ajudaram, tal como na vitória no encontro anterior frente ao Japão (28-25).

Angola esteve quase sempre à frente do marcador, ainda que com diferença não superior a dois golos, mas falha assim o objectivo de passar aos quartos-de-final e ficar entre as oito melhores selecções do mundo, como sucedeu na edição de 2016, no Rio de Janeiro.

Além da vitória contra o Japão (28-25) e do empate diante da Coreia do Sul (31-31), as "pérolas" de África perderam com Montenegro (21-30), com a Holanda (28-37) e com a Noruega (22-33).

Com o empate, as angolanas falharam a passagem aos quartos-de-final do torneio olímpico, apesar de terem somado os mesmos três pontos da Coreia do Sul, que beneficia da vantagem de golos marcados e sofridos, no cômputo geral.

Ao intervalo, Angola vencia pela diferença mínima de 17-16, em jogo totalmente equilibrado, referente à 5ª e última jornada do grupo A.

Assim, passam à outra fase, a Noruega, com 8 pontos, Holanda (6), Montenegro (4) e Coreia do Sul (3). Angola (3) e o Japão (2) estão desqualificados.  

No desafio, marcado por sucessivas desqualificações de dois minutos fora da quadra, falhas na defesa e no ataque, a selecção até foi resiliente e teve a vitória nas mãos no derradeiro minuto, mas Natália e Isabel Guialo defraudaram.

A primeira falhou o ataque rematando contra o corpo da guarda-redes contrária e, no contra-ataque, a Coreia do Sul igualou (31-31) com menos de um minuto para o fim do embate.

Com posse de bola, as campeãs africanas beneficiaram de um livre dos sete metros nos últimos segundos, mas Isabel Guialo, a melhor marcadora da partida com 8 golos, falhou.

Isabel Guialo, Natália Bernardo e Albertina Cassoma, esta última muito fustigada pelas adversárias, não foram capazes de liderar o conjunto ao necessário triunfo e nem mesmo as defesas importantes de Helena Sousa ajudaram, tal como na vitória no encontro anterior frente ao Japão (28-25).

Angola esteve quase sempre à frente do marcador, ainda que com diferença não superior a dois golos, mas falha assim o objectivo de passar aos quartos-de-final e ficar entre as oito melhores selecções do mundo, como sucedeu na edição de 2016, no Rio de Janeiro.

Além da vitória contra o Japão (28-25) e do empate diante da Coreia do Sul (31-31), as "pérolas" de África perderam com Montenegro (21-30), com a Holanda (28-37) e com a Noruega (22-33).