Angola no pódio da Cosafa

  • Jogadores ds Selecção Nacional (Palanca Negras Gigantes) celebra golo contra a selecção do Lesotho para o apuramento do Can 2015
Luanda – A selecção nacional de futebol em Sub-17 classificou-se na terceira posição da Taça Cosafa, ao vencer Domingo o Malawi, por 2-1, em jogo das classificativas.

Apesar do feito, nesta prova que termina na África do Sul, onde os anfitriões disputam o troféu com a Zâmbia, Angola fica afastada do Campeonato Africano, a decorrer de 13 a 31 de Março de 2021, em Marrocos.

No percurso desta competição, o conjunto nacional já havia derrotado o Malawi por expressivos 7-1. Perdeu
com a África do Sul (1-2) e com a Zâmbia (1-2).

Inicialmente com oito representações, o torneio terminou apenas com quatro, após a organização ter afastado o Botswana, Ilhas Comores, Eswatini e Zimbabwe, por adulteração de idades.

A medida anulou os moldes de disputa inicialmente programados, em que Angola já havia empatado a um golo com o Zimbabwe, na ronda inaugural do grupo A.

Assim, estabeleceu-se um novo calendário quadrangular, em sistema de todos contra todos a uma volta.

As duas primeiras classificadas disputam a final e as outras duas as classificativas do terceiro e quarto lugares.

Não participando no CAN de Marrocos, no próximo ano, a selecção angolana fica também impossibilitada  de concorrer para um lugar de acesso ao próximo Campeonato do Mundo, como ocorreu em 2019 no Brasil.

Naquela prova, foi eliminada pela Coreia do Sul, nos oitavos-de-final, com um tento apontado por Choi Min-seo, aos 33 minutos.

Angola ficou afastada após um bom percurso. Na sua estreia na competição, os angolanos venceram a Nova Zelândia por 2-1 e o Canadá também por 2-1, sofrendo apenas uma derrota na fase de grupos, perante o anfitrião Brasil, por 2-0.

Apesar do feito, nesta prova que termina na África do Sul, onde os anfitriões disputam o troféu com a Zâmbia, Angola fica afastada do Campeonato Africano, a decorrer de 13 a 31 de Março de 2021, em Marrocos.

No percurso desta competição, o conjunto nacional já havia derrotado o Malawi por expressivos 7-1. Perdeu
com a África do Sul (1-2) e com a Zâmbia (1-2).

Inicialmente com oito representações, o torneio terminou apenas com quatro, após a organização ter afastado o Botswana, Ilhas Comores, Eswatini e Zimbabwe, por adulteração de idades.

A medida anulou os moldes de disputa inicialmente programados, em que Angola já havia empatado a um golo com o Zimbabwe, na ronda inaugural do grupo A.

Assim, estabeleceu-se um novo calendário quadrangular, em sistema de todos contra todos a uma volta.

As duas primeiras classificadas disputam a final e as outras duas as classificativas do terceiro e quarto lugares.

Não participando no CAN de Marrocos, no próximo ano, a selecção angolana fica também impossibilitada  de concorrer para um lugar de acesso ao próximo Campeonato do Mundo, como ocorreu em 2019 no Brasil.

Naquela prova, foi eliminada pela Coreia do Sul, nos oitavos-de-final, com um tento apontado por Choi Min-seo, aos 33 minutos.

Angola ficou afastada após um bom percurso. Na sua estreia na competição, os angolanos venceram a Nova Zelândia por 2-1 e o Canadá também por 2-1, sofrendo apenas uma derrota na fase de grupos, perante o anfitrião Brasil, por 2-0.