Azulão protagoniza “tri” e iguala recorde doméstico de há 36 anos

  • Tiago Azulão conquista bota de ouro pela terceira vez
Luena – Longe do recorde de 29 golos batido por Carlos Alves, em 1980, o Campeonato Nacional de futebol (Girabola2020-21) terminou neste sábado com a consagração de Tiago Azulão, do Petro de Luanda, como o bota de ouro pela terceira vez, com 16 remates certeiros, igualando o feito do ex-colega de equipa, Osvaldo Saturnino “Jesus” que durou 36 anos.

Num período em que os golos são cada vez mais escassos na corrida entre os goleadores, a análise comparativa é doméstica e relega para os anos em que Jesus obteve o feito nas edições de 1982 (21 golos), 1984 (22) e 1985 (19).

Agora, Tiago Azulão estabelece a mesma marca, depois das consagrações de 2017 com 16 golos, 2018 (20) e 2020-21 (16).

No entanto, até à data, a prova regista outros atletas que fizeram o "tri" na luta pela bota de ouro, como Love Kabungula, pelo Petro de Luanda, em 2011 (20 golos) e “bisou” pelo ASA em 2004 (17golos) e 2005 (13).

Ao serviço do 1º de Agosto, o actual integrante da equipa técnica da selecção nacional podia ter em seu curriculum a quarta bota de ouro, não fosse terminar empatado a 14 tentos com Mpele Mpele, Kabuscorp do Planca, na edição de 2010. Este último sagrou-se vencedor por efectuar menos jogos, segundo critérios da Federação Angolana de Futebol (FAF).

Tal cenário repetiu-se na época 2015, com Meyong, pelo Kabuscorp, e Yano, pelo Progresso Sambizanga, a protagonizarem um “empate técnico”. Ambos marcaram 13 vezes cada, mas a distinção coube a Yano.

Na presente época, essa hipótese esteve longe de acontecer, pois as possibilidades do Azulão conquistar o ceptro foram maiores, a julgar pela diferença de golos (quatro) em relação ao seu directo adversário, Zine Salvador, do 1º de Agosto, que chegou aos 12 tentos.

Com 28 anos de idade, o brasileiro contratado há cinco anos chegou ao país na segunda volta do Girabola2016. Perigoso e letal, já naquela época terminou em quarto lugar com nove golos, com Gelson Dala, 1º de Agosto, na liderança com 23.

Ao vencer, pela primeira vez, a bota de ouro, com 16 golos, no Girabola2017, o atleta provou a sua qualidade, depois de deixar sério aviso em 2016 (actuou apenas na segunda volta), com 10 golos (um para a Taça de Angola), em 15 jogos, num total 1265 minutos.

Já com 30 anos, Tiago Lima Leal “bisou” o prémio em 2018, após facturar 21 golos. O avançado “zuca” precisou de 24 jogos (fez ainda mais quatro na Taça da Confederação) em 2186 minutos em campo.

As estatísticas mostram que nem mesmo a rápida e “pálida” passagem (2019) nos Olympiakos de Nicósia da primeira liga do Chipre diminuiu a sua veia goleadora.

Esse antigo jogador do Mogi Mirim FC, uma cidade do interior de São Paulo, tem o percentual de 35% de golos e uma média de 0,56 por jogo.

Agora com 33 anos, Tiago Azulão marca golos em qualquer período da partida. No Girabola2020/2021 rubricou três entre um a 15 minutos, quatro no espaço 16 a 30, dois no intervalo entre 31 a 45, dois entre os minutos 46 a 60, dois entre 61 a 75´e um entre 76 a 90.

Pontas de lança que já bisaram consecutivamente na prova

1.            Jesus em 1984 (22 golos) e 1985 (19) - Petro de Luanda

2.            Amaral Aleixo em 1991 (23) e 1992 (20) - Sagrada Esperança e Petro de Luanda

3.            Flávio Amado em 2001 (23) e 2002 (16) - Petro de Luanda

4.            Love Kabungulo em 2004 (17) e 2005 (13) - ASA

5.            Manuncho Gonçalves em 2005 (16) e 2006 (17) - Petro de Luanda

6.            Meyong em 2013 (20) e 2014 (17) - Kabuscorp do Palanca

7.            Yano em 2012 (14) e 2015 (13) - Progresso Sambizanga

8.            Tiago Azulão em 2017 (16) e 2018 (20) - Petro de Luanda

Época com menos golos

Em 1997 Zé Nely, do Petro do Huambo, apontou apenas 12 golos, e, em 2003, André fez o mesmo número pelo Interclube.

Equipa com mais artilheiros

1. Petro de Luanda - Jesus, Mona, Amaral Aleixo, Betinho, Flávio, Love Kabungula, Manuncho Gonçalves, Santana, David e Tiago Azulão.

2. 1º de Agosto - Carlos Alves, Manuel, Isaac e Gelson Dala

3. Kabuscorp - Meyong e Mpele Mpele

4. Interclube - André e Túbia

5. ASA – Love Kabungula

6. Progresso Sambizanga – Yano

 Melhores marcadores em diferentes equipas

1. Amaral Aleixo pelo Sagrada Esperança (1991) e Petro de Luanda (1992)

2. Love Kabungula pelo ASA (2004, 2005) e Petro de Luanda (2011)

Artilheiros próximos do recorde de golos

1.            Amaral Aleixo - 23

2.            Flávio Amado - 23

3.            Gelson Dala -23

 

Num período em que os golos são cada vez mais escassos na corrida entre os goleadores, a análise comparativa é doméstica e relega para os anos em que Jesus obteve o feito nas edições de 1982 (21 golos), 1984 (22) e 1985 (19).

Agora, Tiago Azulão estabelece a mesma marca, depois das consagrações de 2017 com 16 golos, 2018 (20) e 2020-21 (16).

No entanto, até à data, a prova regista outros atletas que fizeram o "tri" na luta pela bota de ouro, como Love Kabungula, pelo Petro de Luanda, em 2011 (20 golos) e “bisou” pelo ASA em 2004 (17golos) e 2005 (13).

Ao serviço do 1º de Agosto, o actual integrante da equipa técnica da selecção nacional podia ter em seu curriculum a quarta bota de ouro, não fosse terminar empatado a 14 tentos com Mpele Mpele, Kabuscorp do Planca, na edição de 2010. Este último sagrou-se vencedor por efectuar menos jogos, segundo critérios da Federação Angolana de Futebol (FAF).

Tal cenário repetiu-se na época 2015, com Meyong, pelo Kabuscorp, e Yano, pelo Progresso Sambizanga, a protagonizarem um “empate técnico”. Ambos marcaram 13 vezes cada, mas a distinção coube a Yano.

Na presente época, essa hipótese esteve longe de acontecer, pois as possibilidades do Azulão conquistar o ceptro foram maiores, a julgar pela diferença de golos (quatro) em relação ao seu directo adversário, Zine Salvador, do 1º de Agosto, que chegou aos 12 tentos.

Com 28 anos de idade, o brasileiro contratado há cinco anos chegou ao país na segunda volta do Girabola2016. Perigoso e letal, já naquela época terminou em quarto lugar com nove golos, com Gelson Dala, 1º de Agosto, na liderança com 23.

Ao vencer, pela primeira vez, a bota de ouro, com 16 golos, no Girabola2017, o atleta provou a sua qualidade, depois de deixar sério aviso em 2016 (actuou apenas na segunda volta), com 10 golos (um para a Taça de Angola), em 15 jogos, num total 1265 minutos.

Já com 30 anos, Tiago Lima Leal “bisou” o prémio em 2018, após facturar 21 golos. O avançado “zuca” precisou de 24 jogos (fez ainda mais quatro na Taça da Confederação) em 2186 minutos em campo.

As estatísticas mostram que nem mesmo a rápida e “pálida” passagem (2019) nos Olympiakos de Nicósia da primeira liga do Chipre diminuiu a sua veia goleadora.

Esse antigo jogador do Mogi Mirim FC, uma cidade do interior de São Paulo, tem o percentual de 35% de golos e uma média de 0,56 por jogo.

Agora com 33 anos, Tiago Azulão marca golos em qualquer período da partida. No Girabola2020/2021 rubricou três entre um a 15 minutos, quatro no espaço 16 a 30, dois no intervalo entre 31 a 45, dois entre os minutos 46 a 60, dois entre 61 a 75´e um entre 76 a 90.

Pontas de lança que já bisaram consecutivamente na prova

1.            Jesus em 1984 (22 golos) e 1985 (19) - Petro de Luanda

2.            Amaral Aleixo em 1991 (23) e 1992 (20) - Sagrada Esperança e Petro de Luanda

3.            Flávio Amado em 2001 (23) e 2002 (16) - Petro de Luanda

4.            Love Kabungulo em 2004 (17) e 2005 (13) - ASA

5.            Manuncho Gonçalves em 2005 (16) e 2006 (17) - Petro de Luanda

6.            Meyong em 2013 (20) e 2014 (17) - Kabuscorp do Palanca

7.            Yano em 2012 (14) e 2015 (13) - Progresso Sambizanga

8.            Tiago Azulão em 2017 (16) e 2018 (20) - Petro de Luanda

Época com menos golos

Em 1997 Zé Nely, do Petro do Huambo, apontou apenas 12 golos, e, em 2003, André fez o mesmo número pelo Interclube.

Equipa com mais artilheiros

1. Petro de Luanda - Jesus, Mona, Amaral Aleixo, Betinho, Flávio, Love Kabungula, Manuncho Gonçalves, Santana, David e Tiago Azulão.

2. 1º de Agosto - Carlos Alves, Manuel, Isaac e Gelson Dala

3. Kabuscorp - Meyong e Mpele Mpele

4. Interclube - André e Túbia

5. ASA – Love Kabungula

6. Progresso Sambizanga – Yano

 Melhores marcadores em diferentes equipas

1. Amaral Aleixo pelo Sagrada Esperança (1991) e Petro de Luanda (1992)

2. Love Kabungula pelo ASA (2004, 2005) e Petro de Luanda (2011)

Artilheiros próximos do recorde de golos

1.            Amaral Aleixo - 23

2.            Flávio Amado - 23

3.            Gelson Dala -23