Basquetebol: Jean Jacques recorre ao tribunal

  • Jean Jacques, da Coneicão,  Antigo Atleta de Basketebol
Luanda – A antiga estrela do basquetebol angolano, Jean Jacques da Conceição, recorreu ao tribunal Provincial de Luanda, para tentar inverter a decisão da Comissão Eleitoral, que reprovou a sua candidatura à presidência da Federação angolana da modalidade.

Falando em conferência de imprensa, sexta-feira, em Luanda, o ex-jogador do 1.º de Agosto informou que no dia 30 de Outubro deu entrada do recurso no tribunal e no Ministério da Juventude e Desportos, por forma a revogar a decisão da Comissão Eleitoral. 

Jean Jacques, que já exerceu a função de vice - presidente do organismo, disse possuir provas documentais de tais irregularidades, que também serão apresentadas à Fiba.

“Tenho fé no tribunal, acredito na nossa justiça, por isso tenho certeza que o resultado será a nosso favor”, perspectivou.

Disse discordar da forma como o basquetebol está a ser tratado, lembrando ser a modalidade de todos os angolanos, cada um livre de concorrer a um lugar de liderança no órgão reitor.

“Derramei sangue pelo basquetebol e vou defende-lo até ao fim. Não se trata do Jean Jacques, mas sim da modalidade”, disse, citando como ilegal o facto do Desportivo da Banca constar da população votante, mesmo sem ter realizado o seu pleito eleitoral. 

Explicou que, ao contrário dos motivos apresentados para a reprovação da sua candidatura, o seu processo chegou atempadamente, mas as portas da federação estavam fechadas.  

O ex-jogador do Sport Lisboa e Benfica (Portugal), Limoge (França), Málaga (Espanha), único africano no Hall Fame, realçou que, caso não concorra, afastar-se-á definitivamente do basquetebol. 

As eleições na FAB acontecem no próximo dia 22, estando a decorrer o período de campanha.

Concorrem para o pleito, Manuel Dokas, Moniz Silva e Manuel Moreira. 

 

 

 

Falando em conferência de imprensa, sexta-feira, em Luanda, o ex-jogador do 1.º de Agosto informou que no dia 30 de Outubro deu entrada do recurso no tribunal e no Ministério da Juventude e Desportos, por forma a revogar a decisão da Comissão Eleitoral. 

Jean Jacques, que já exerceu a função de vice - presidente do organismo, disse possuir provas documentais de tais irregularidades, que também serão apresentadas à Fiba.

“Tenho fé no tribunal, acredito na nossa justiça, por isso tenho certeza que o resultado será a nosso favor”, perspectivou.

Disse discordar da forma como o basquetebol está a ser tratado, lembrando ser a modalidade de todos os angolanos, cada um livre de concorrer a um lugar de liderança no órgão reitor.

“Derramei sangue pelo basquetebol e vou defende-lo até ao fim. Não se trata do Jean Jacques, mas sim da modalidade”, disse, citando como ilegal o facto do Desportivo da Banca constar da população votante, mesmo sem ter realizado o seu pleito eleitoral. 

Explicou que, ao contrário dos motivos apresentados para a reprovação da sua candidatura, o seu processo chegou atempadamente, mas as portas da federação estavam fechadas.  

O ex-jogador do Sport Lisboa e Benfica (Portugal), Limoge (França), Málaga (Espanha), único africano no Hall Fame, realçou que, caso não concorra, afastar-se-á definitivamente do basquetebol. 

As eleições na FAB acontecem no próximo dia 22, estando a decorrer o período de campanha.

Concorrem para o pleito, Manuel Dokas, Moniz Silva e Manuel Moreira.