Basquetebol: Novo presidente promete trabalho árduo

  • Basketebol partida entre Primeiro de Agosto e Petro de Luanda
Luanda – O novo presidente da Federação Angolana de Basquetebol (FAB), José Moniz Silva, prometeu hoje, domingo, em Luanda, um trabalho abnegado do seu elenco para mudar o estado menos bom da modalidade em todo o país.

Ao falar após ser eleito, por 17 votos favoráveis, 11 contra do concorrente Armando Docas (lista B) e um de Manuel Moreira (c ), o  representante da lista A referiu que sai do pleito com o dever cumprido e pronto a contribuir no desenvolvimento da modalidade.

“Estamos imbuídos do espírito de missão e conscientes de que há um grande trabalho a fazer. Agora resta-nos retribuir a confiança do voto com um trabalho abnegado”, disse.   

Quanto as prioridades, o antigo vice-presidente do 1º de Agosto, adiantou que tentará colocar à bola rolar no próximo mês de Dezembro e criar condições para que as equipas façam os testes da Covid-19.

Para o novo líder da FAB, Angola não se pode colocar à margem do mundo, já que os outros países estão engajados na retoma das actividades desportivas.

Por sua vez, os candidatos derrotados, Armando Dala Docas e Manuel Moreira, foram unânimes em reconhecer o triunfo do adversário, manifestando-se dispostos em colaborar com o novo elenco, em prol do desenvolvimento da modalidade.

José Moniz Silva torna-se no sétimo presidente da FAB. Já assumiram o cargo José Guimarães “Piriquito” (1977-1987), Carlos Teixeira “Cagi” (1987-1996), António Pires Ferreira (1996-2004), Gustavo da Conceição (2004-2012), Paulo Madeira (2012-2016) e Hélder Cruz “Maneda” (2016-2019).

Aumentar o número de praticantes, apostar seriamente na formação de treinadores, melhorar a organização interna da entidade, assim como melhorar a prestação das selecções nacionais constituem tarefas do presidente eleito.

As eleições aconteceram numa altura em que a FAB era liderada por uma comissão de gestão, coordenado por Gustavo da Conceição, desde 2019, depois de uma crise directiva que se instalou no órgão, que culminou com a demissão do então presidente de direcção, Hélder Martins da Cruz “Maneda”.

No processo eleitoral, também verificou-se a não entrada da lista do antigo consagrado basquetebolista Jean Jacques da Conceição, por atraso na entrega da proposta de candidatura à comissão do pleito.