Benguela pede maior atenção da FAF

  • Jogadores ds Selecção Nacional (Palanca Negras Gigantes) celebra golo contra a selecção do Lesotho para o apuramento do Can 2015
Benguela - O secretário-geral da Associação Provincial de Futebol (APF) de Benguela, Laurentino Alberto, pediu hoje, segunda-feira, nesta cidade, ao presidente reeleito da Federação Angolana de Futebol (FAF), maior abertura ao diálogo com as parceiras provinciais.

Em declarações à Angop, npara antevisão ao novo mandato de Artur de Almeida e Silva, afirmou o desejo de ver melhorada a maneira de trabalhar do elenco reeleito.

Conforme referiu, deve-se também ouvir às associações provinciais e não apenas os clubes da 1.ª divisão, como tem sido prática.

Laurentino Alberto disse que o presidente reeleito fez muitas promessas no mandado passado, entre as quais equipar as associações com meios informáticos e ajudá-las com valores monetários, mas não as cumpriu sequer a 30 por cento.

“Como ele mesmo prometeu corrigir o erro do mandato passado, vamos aguardar que assim seja para o bem do nosso futebol”, enfatizou.

Para o dirigente desportivo, é necessário atacar de imediato a realização dos Campeonatos Nacionais e assumir as despesas das provas de formação.

Já para o presidente do Clube Académica Petróleo do Lobito, Luís Borges, neste momento o mais importante é a união da “família futebol”.

Com 70 votos a favor, o empresário Artur de Almeida e Silva, da lista B, foi reeleito sábado (14), presidente de direcção da Federação Angolana de Futebol (FAF), para o período de 2020-24.

Venceu na corrida Nando Jordão (59 Votos, lista A), Tony Estraga (28 votos, lista C) e José Macaia (8 votos, lista D).