Futebol: Supertaça vai para Lunda Norte com inspiração de Langanga

Benguela – O Sagrada Esperança começou hoje, em Benguela, a época 2021/22 com “o pé direito”, ao conquistar a sua primeira Supertaça em futebol, num jogo emotivo frente ao Petro (4-3), resolvido nas grandes penalidades.

Na primeira Supertaça de Angola disputada fora de Luanda, a capital do país, o Sagrada, campeão nacional em título, superou o Petro de Luanda, por 4-3, na marca de grandes penalidades, depois do nulo ao cabo dos 90 minutos, com Langanga a defender três remates.

O palco foi o Estádio Nacional de Ombaka, na província de Benguela. Pelos lundas, marcaram Carlinhos, Lamalisa, Jó Paciência e Cachi, enquanto o brasileiro Tiago Azulão, Yano e Érico fizeram o gosto ao pé para os petrolíferos.

Foi um jogo impróprio para cardíacos e onde as duas equipas disputaram de forma intensa o domínio do meio-tempo. Aos três minutos do primeiro tempo, Lepua levou perigo à baliza defendida por Augusto.

O Petro respondeu aos seis minutos. Na recarga a um excelente remate de Job, Jared pela esquerda tentou rematar mas desequilibrou-se na entrada da grande área ante a pressão da defesa adversária.

À passagem do minuto 12, Langanga, o guardião das redes do Sagrada Esperança, saltou para defender o primeiro canto do Petro de Luanda, cobrado por Dany.

Aos 18 minutos, Carlinhos quase marcou na cobrança de um livre, já que o guarda-redes da formação petrolífera teria agarrado a bola fora da grande área. Por isso, foi penalizado com cartão amarelo.

Com as duas equipas a procurarem criar oportunidades de golo, apesar da avalanche defensiva, aos 31 minutos, Maya e Jared, do lado petrolífero, tentaram surpreender a defesa adversária, mas sem sucesso.

Depois, o médio Carlinhos e Adó Pena partiram em velocidade cruzeiro do meio-campo. Na sequência, Vidinho, jogador do Petro, quase fazia auto-golo ao cortar a bola, dando o primeiro canto aos lundas.

O Petro respondeu num livre protagonizado por Tiago Azulão para a defesa de Langalanga. Na insistência, Tó Carneiro fez um remate perigoso, mas mal concluído pelo avançado brasileiro.

Após o intervalo, o Petro tentou tirar partido das substituições feitas, com realce para a entrada de Megue, que trouxe mais dinamismo no contra-ataque da equipa, fazendo incursões rápidas pelo flanco esquerdo.

Aos 68 minutos, Depô, ponta-de-lança do Sagrada, desmarcado, rematou para a defesa incompleta de Augusto. Na resposta, Job aqueceu as mãos de Langanga que atirou a bola para o terceiro canto dos tricolores.

Logo que entrou, Erico surgiu isolado na área e rematou sem hesitar, com a bola a embater na trave da baliza contrária.

Na parte final, o Petro parecia estar determinado a vencer, mas o adversário não arredou o pé e o empate a zero bolas prevaleceu até ao fim do tempo regulamentar.

Sem prolongamento, o encontro foi directamente para as grandes penalidades e a inspiração de Langanga foi decisiva para a vitória do Sagrada Esperança, que leva assim a primeira Supertaça em futebol para Lunda Norte.

Na primeira Supertaça de Angola disputada fora de Luanda, a capital do país, o Sagrada, campeão nacional em título, superou o Petro de Luanda, por 4-3, na marca de grandes penalidades, depois do nulo ao cabo dos 90 minutos, com Langanga a defender três remates.

O palco foi o Estádio Nacional de Ombaka, na província de Benguela. Pelos lundas, marcaram Carlinhos, Lamalisa, Jó Paciência e Cachi, enquanto o brasileiro Tiago Azulão, Yano e Érico fizeram o gosto ao pé para os petrolíferos.

Foi um jogo impróprio para cardíacos e onde as duas equipas disputaram de forma intensa o domínio do meio-tempo. Aos três minutos do primeiro tempo, Lepua levou perigo à baliza defendida por Augusto.

O Petro respondeu aos seis minutos. Na recarga a um excelente remate de Job, Jared pela esquerda tentou rematar mas desequilibrou-se na entrada da grande área ante a pressão da defesa adversária.

À passagem do minuto 12, Langanga, o guardião das redes do Sagrada Esperança, saltou para defender o primeiro canto do Petro de Luanda, cobrado por Dany.

Aos 18 minutos, Carlinhos quase marcou na cobrança de um livre, já que o guarda-redes da formação petrolífera teria agarrado a bola fora da grande área. Por isso, foi penalizado com cartão amarelo.

Com as duas equipas a procurarem criar oportunidades de golo, apesar da avalanche defensiva, aos 31 minutos, Maya e Jared, do lado petrolífero, tentaram surpreender a defesa adversária, mas sem sucesso.

Depois, o médio Carlinhos e Adó Pena partiram em velocidade cruzeiro do meio-campo. Na sequência, Vidinho, jogador do Petro, quase fazia auto-golo ao cortar a bola, dando o primeiro canto aos lundas.

O Petro respondeu num livre protagonizado por Tiago Azulão para a defesa de Langalanga. Na insistência, Tó Carneiro fez um remate perigoso, mas mal concluído pelo avançado brasileiro.

Após o intervalo, o Petro tentou tirar partido das substituições feitas, com realce para a entrada de Megue, que trouxe mais dinamismo no contra-ataque da equipa, fazendo incursões rápidas pelo flanco esquerdo.

Aos 68 minutos, Depô, ponta-de-lança do Sagrada, desmarcado, rematou para a defesa incompleta de Augusto. Na resposta, Job aqueceu as mãos de Langanga que atirou a bola para o terceiro canto dos tricolores.

Logo que entrou, Erico surgiu isolado na área e rematou sem hesitar, com a bola a embater na trave da baliza contrária.

Na parte final, o Petro parecia estar determinado a vencer, mas o adversário não arredou o pé e o empate a zero bolas prevaleceu até ao fim do tempo regulamentar.

Sem prolongamento, o encontro foi directamente para as grandes penalidades e a inspiração de Langanga foi decisiva para a vitória do Sagrada Esperança, que leva assim a primeira Supertaça em futebol para Lunda Norte.