Governante realça sentimento batalhador das jogadoras  

  • Ministra da Juventude e Desportos,  Ana Paula do Sacramento Neto (arquivo)
Luanda - O espírito batalhador da mulher angolana foi apontado como um dos factores determinantes para a conquista do 14º título africano da selecção nacional sénior feminino de andebol, pela ministra dos Desportos, Ana Paula do Sacramento.

A governante reagia ao feito desta sexta-feira, em Yaoundé, onde Angola superou na final da 24ª edição do CAN de Andebol os Camarões, por 25-15.

Congratulou-se sobretudo pelo facto de o troféu ter de ficar definitivamente na galeria do desporto angolano, visto ser o terceiro consecutivo, e considerou que o mesmo é “fruto” de muito brio e dedicação das atletas.   

Segundo a dirigente, as jogadoras nunca baixaram os braços, pelo que todos devem reconhecer e aplaudir o trabalho, no sentido de ver melhorado o desporto angolano.

Enfatizou ser a mulher a placa giratória e espelho da família e as encorajou para continuarem nesta senda, para que mais jovens adiram o desporto no país.

As campeãs foram igualmente felicitadas pelo ministério da Acção Social, Família e Promoção da Mulher (MASFAMU), através de uma nota a que a Angop teve acesso.

“A conquista representa a luta e a vitória dos angolanos, numa altura em que o país o e mundo enfrentam um inimigo comum e invisível, demonstrando assim, que os angolanos se emergem no meio de inúmeras dificuldades, vencem batalhas e conquistam lugares cimeiros”, lê-se no documento.

Em outra nota, o Governo Provincial de Luanda também se juntou ao momento de júbilo, destacando o espírito de sacrifício e entrega das jogadoras, particularmente em período de pandemia da Covid -19.

Já o grupo Parlamentar da UNITA considera que o feito eleva o nome de Angola na mais alta-roda do desporto em África, ao mesmo tempo que impele a uma maior responsabilidade para mais investimentos nos escalões de formação.

Em comunicação separada, o presidente do mesmo partido, Adalberto Costa Júnior, refere que o feito alcançado, pela terceira vez consecutiva, reveste-se de particular significado, porquanto trás ao país, em definitivo, um troféu muito cobiçado no continente, além de garantir a participação no Campeonato do Mundo.

A Embaixada da República de Angola na África do Sul exalta o espírito combativo e de conquista do conjunto nacional, augurando sucesso no Campeonato do Mundo, a decorrer em Dezembro, no Reino de Espanha.

Por sua vez, o ministério da Defesa Nacional e Veteranos da Pátria, numa nota assinada pelo seu titular, João Ernesto dos Santos, refere que a revalidação do título demonstra a hegemonia das heroicas jogadoras que, com determinação e audácia, não têm medido esforços para superarem-se em cada competição.

Congratula-se igualmente com o feito, entre outros, o governo da província de Malanje. 

 

A governante reagia ao feito desta sexta-feira, em Yaoundé, onde Angola superou na final da 24ª edição do CAN de Andebol os Camarões, por 25-15.

Congratulou-se sobretudo pelo facto de o troféu ter de ficar definitivamente na galeria do desporto angolano, visto ser o terceiro consecutivo, e considerou que o mesmo é “fruto” de muito brio e dedicação das atletas.   

Segundo a dirigente, as jogadoras nunca baixaram os braços, pelo que todos devem reconhecer e aplaudir o trabalho, no sentido de ver melhorado o desporto angolano.

Enfatizou ser a mulher a placa giratória e espelho da família e as encorajou para continuarem nesta senda, para que mais jovens adiram o desporto no país.

As campeãs foram igualmente felicitadas pelo ministério da Acção Social, Família e Promoção da Mulher (MASFAMU), através de uma nota a que a Angop teve acesso.

“A conquista representa a luta e a vitória dos angolanos, numa altura em que o país o e mundo enfrentam um inimigo comum e invisível, demonstrando assim, que os angolanos se emergem no meio de inúmeras dificuldades, vencem batalhas e conquistam lugares cimeiros”, lê-se no documento.

Em outra nota, o Governo Provincial de Luanda também se juntou ao momento de júbilo, destacando o espírito de sacrifício e entrega das jogadoras, particularmente em período de pandemia da Covid -19.

Já o grupo Parlamentar da UNITA considera que o feito eleva o nome de Angola na mais alta-roda do desporto em África, ao mesmo tempo que impele a uma maior responsabilidade para mais investimentos nos escalões de formação.

Em comunicação separada, o presidente do mesmo partido, Adalberto Costa Júnior, refere que o feito alcançado, pela terceira vez consecutiva, reveste-se de particular significado, porquanto trás ao país, em definitivo, um troféu muito cobiçado no continente, além de garantir a participação no Campeonato do Mundo.

A Embaixada da República de Angola na África do Sul exalta o espírito combativo e de conquista do conjunto nacional, augurando sucesso no Campeonato do Mundo, a decorrer em Dezembro, no Reino de Espanha.

Por sua vez, o ministério da Defesa Nacional e Veteranos da Pátria, numa nota assinada pelo seu titular, João Ernesto dos Santos, refere que a revalidação do título demonstra a hegemonia das heroicas jogadoras que, com determinação e audácia, não têm medido esforços para superarem-se em cada competição.

Congratula-se igualmente com o feito, entre outros, o governo da província de Malanje.