Hóquei vai se expandir para mais províncias do país

  • Uma partida de póquem em patins, na cidadela desportiva.
Luanda - Além de Luanda, Benguela e Namibe, o hóquei em patins vai se expandir para mais províncias de Angola até 2024, com trabalho árduo dos dirigentes, técnicos e atletas, afirmou hoje o novo presidente da Federação Angolana de Patinagem (FAP), Dionísio Viegas.

 Falando durante a tomada de posse do seu elenco para o ciclo 2020-2024, Dionísio Viegas avançou que para a expansão pretendida um dos primeiros passos é a formação de mais treinadores e criação de condições para minimizar a carência de materiais específicos à prática da patinagem.

 “Vamos melhorar o pouco que existe em algumas províncias e fomentar a modalidade nas demais, com apoio, não só, das entidades mas também de parceiros que se vão juntar a nós”, disse o líder desportivo.

 Ao longo dos quatro anos de mandato, Dionísio Viegas pretende unir a família da patinagem para criar maior competitividade e abrangência no país, na base de quatro pilares nomeadamente organização, rigor, transparência e inclusão.

Frisou que a criação de novos pólos da modalidade noutros pontos do país não depende apenas de dinheiro mas da boa vontade e dedicação dos agentes.

Dionísio Viegas referiu que vão ainda fomentar a prática das diversas disciplinas que compõem a patinagem, bem como realizar anualmente o encontro nacional da patinagem.

Eleito no sábado da semana transacta em lista única, o novo presidente da FAP, disse estar ciente das dificuldades financeiras que irá encontrar, mas conta com apoio de todos que um dia emprestaram o seu saber como jogador, técnico o dirigente para que a modalidade possa voltar recuperar o seu espaço.

 A FAP já foi liderada por Sérgio Romero, Artur Pestana “ Pepetela”, Jorge de Abreu, Fernando Teixeira, Norberto de Castro, ( Comissão de Gestão) , Carlos Alberto Jaime, Hirondino Garcia.

 

 

 Falando durante a tomada de posse do seu elenco para o ciclo 2020-2024, Dionísio Viegas avançou que para a expansão pretendida um dos primeiros passos é a formação de mais treinadores e criação de condições para minimizar a carência de materiais específicos à prática da patinagem.

 “Vamos melhorar o pouco que existe em algumas províncias e fomentar a modalidade nas demais, com apoio, não só, das entidades mas também de parceiros que se vão juntar a nós”, disse o líder desportivo.

 Ao longo dos quatro anos de mandato, Dionísio Viegas pretende unir a família da patinagem para criar maior competitividade e abrangência no país, na base de quatro pilares nomeadamente organização, rigor, transparência e inclusão.

Frisou que a criação de novos pólos da modalidade noutros pontos do país não depende apenas de dinheiro mas da boa vontade e dedicação dos agentes.

Dionísio Viegas referiu que vão ainda fomentar a prática das diversas disciplinas que compõem a patinagem, bem como realizar anualmente o encontro nacional da patinagem.

Eleito no sábado da semana transacta em lista única, o novo presidente da FAP, disse estar ciente das dificuldades financeiras que irá encontrar, mas conta com apoio de todos que um dia emprestaram o seu saber como jogador, técnico o dirigente para que a modalidade possa voltar recuperar o seu espaço.

 A FAP já foi liderada por Sérgio Romero, Artur Pestana “ Pepetela”, Jorge de Abreu, Fernando Teixeira, Norberto de Castro, ( Comissão de Gestão) , Carlos Alberto Jaime, Hirondino Garcia.