Lesões e ineficácia inquietam Bodunha na Liga africana

  • Mateus Agostinho "Bodunha", treinador do Petro de Luanda
Luanda - O técnico do Petro de Luanda, Mateus Agostinho “Bodunha”, apontou a ineficácia e a onda de lesões que afecta a equipa como sendo as principais inquietações do grupo para o jogo de sábado, frente ao Horoya da Guiné Conacry, referente à 5ª jornada do grupo C da Liga dos Clubes Campeões Africanos em futebol.

Ao falar em conferência de imprensa, on-line, de lançamento da partida, o treinador mostrou-se preocupado com esta situação, salientando a necessidade de alcançar, no Estádio 11 de Novembro, na capital do país, a primeira vitória na prova.

Referiu ainda que a sua ausência no banco de suplentes, por falta de licença da CAF que o habilita, dificulta a obtenção de bons resultados da equipa, que ocupa a última posição da série, sem qualquer golo, com apenas um ponto, em quatro jogos.

Sem avançar nomes dos atletas lesionados, disse que tal quadro faz com que o Petro não seja regular quanto ao 11 inicial e o obriga a lançar alguns jovens numa competição cujo nível de exigência é elevado.

“A jogar em casa somos sempre favoritos. Vamos ter um adversário que está próximo da qualificação, mas nós queremos a primeira vitória”, frisou, augurando golos.

Por sua vez, o defesa central Mendinho, que se estreou na equipa sénior quarta-feira na vitória (2-1) sobre o Desportivo da Huíla, afirmou procurar uma vaga no onze, pelo que tudo fará para conquistar espaço e não comprometer.

No jogo da primeira “mão” o Horoya ganhou por 2-0, com golos de Dramane Nikiema e Yakouba Barry.

O grupo C é liderado pelo Wydad Casablanca do Marrocos com 10 pontos, seguido do Horoya com cinco, os mesmos que o Kayzer Chiefs da África do Sul na terceira posição.

Ao falar em conferência de imprensa, on-line, de lançamento da partida, o treinador mostrou-se preocupado com esta situação, salientando a necessidade de alcançar, no Estádio 11 de Novembro, na capital do país, a primeira vitória na prova.

Referiu ainda que a sua ausência no banco de suplentes, por falta de licença da CAF que o habilita, dificulta a obtenção de bons resultados da equipa, que ocupa a última posição da série, sem qualquer golo, com apenas um ponto, em quatro jogos.

Sem avançar nomes dos atletas lesionados, disse que tal quadro faz com que o Petro não seja regular quanto ao 11 inicial e o obriga a lançar alguns jovens numa competição cujo nível de exigência é elevado.

“A jogar em casa somos sempre favoritos. Vamos ter um adversário que está próximo da qualificação, mas nós queremos a primeira vitória”, frisou, augurando golos.

Por sua vez, o defesa central Mendinho, que se estreou na equipa sénior quarta-feira na vitória (2-1) sobre o Desportivo da Huíla, afirmou procurar uma vaga no onze, pelo que tudo fará para conquistar espaço e não comprometer.

No jogo da primeira “mão” o Horoya ganhou por 2-0, com golos de Dramane Nikiema e Yakouba Barry.

O grupo C é liderado pelo Wydad Casablanca do Marrocos com 10 pontos, seguido do Horoya com cinco, os mesmos que o Kayzer Chiefs da África do Sul na terceira posição.