Ministra destaca orgulho dos angolanos pelo 14º título africano

  • Momento da recepção às campeãs africanas
Luanda – Angola deve orgulhar-se por mais uma façanha heróica das suas filhas do andebol, nestes tempos conturbados e marcados por desafios diversos, afirmou hoje (segunda-feira), em Luanda, a ministra de Estado para a Área Social, Carolina Cerqueira.

Falando na homenagem às campeãs africanas, no Memorial António Agostinho Neto, Carolina Cerqueira disse que a conquista do 14º título continental é uma resposta dos angolanos, perante os desafios, a custa de trabalho organizado, espírito de equipa e esforço individual.

“Em nome do Presidente da República, João Manuel Gonçalves Lourenço, felicito cada uma de vós e toda equipa técnica, elevando o patriotismo de um povo resiliente e capaz de feitos invictos”, frisou.

Referiu que o exemplo das campeãs deve impulsionar a ambição de mais jovens, em querer crescer e primar pela excelência, acrescentando que um país forja-se com talentos, acompanhado de tenacidade, disciplina e dedicação.

Acompanhada do ministros de Estado e Chefe da Casa de Segurança do Presidente da República, Francisco Furtado, da Juventude e Desportos e da Administração Pública, Trabalho e Segurança Social, respectivamente, Ana do Sacramento Neto e Teresa Dias, Carolina Cerqueira disse ter sido uma vitória de sacrifícios, devido as dificuldades que a vida impõe.

Realçou que perante tais transtornos, agravados pela situação de pandemia da Covid-19, que tem vindo a condicionar a prática desportiva, as atletas resistiram a todos os obstáculos e vicissitudes e hoje são campeãs africanas, pela 14ª vez

Para a ministra, o triunfo demonstra que, além de talento, as jogadoras têm perseverança, disciplina, dedicação e são verdadeiras guerreiras, não sendo por acaso que as chamam de pérolas.

“Com mais esta conquista, prolongamos quase sem interrupção a vocação ganhadora, pós, tal como se revela o registo da nossa história, em 15 finais disputadas, apenas uma vez Angola não trouxe a Taça para casa”, lembrou.

Para conquistar o ceptro, a selecção nacional venceu na final o país anfitrião, os Camarões, por 25-15, em prova disputada no Pavilhão dos Desportos, obtendo também a qualificação para o Campeonato do Mundo em Dezembro, no Reino de Espanha.

 

Falando na homenagem às campeãs africanas, no Memorial António Agostinho Neto, Carolina Cerqueira disse que a conquista do 14º título continental é uma resposta dos angolanos, perante os desafios, a custa de trabalho organizado, espírito de equipa e esforço individual.

“Em nome do Presidente da República, João Manuel Gonçalves Lourenço, felicito cada uma de vós e toda equipa técnica, elevando o patriotismo de um povo resiliente e capaz de feitos invictos”, frisou.

Referiu que o exemplo das campeãs deve impulsionar a ambição de mais jovens, em querer crescer e primar pela excelência, acrescentando que um país forja-se com talentos, acompanhado de tenacidade, disciplina e dedicação.

Acompanhada do ministros de Estado e Chefe da Casa de Segurança do Presidente da República, Francisco Furtado, da Juventude e Desportos e da Administração Pública, Trabalho e Segurança Social, respectivamente, Ana do Sacramento Neto e Teresa Dias, Carolina Cerqueira disse ter sido uma vitória de sacrifícios, devido as dificuldades que a vida impõe.

Realçou que perante tais transtornos, agravados pela situação de pandemia da Covid-19, que tem vindo a condicionar a prática desportiva, as atletas resistiram a todos os obstáculos e vicissitudes e hoje são campeãs africanas, pela 14ª vez

Para a ministra, o triunfo demonstra que, além de talento, as jogadoras têm perseverança, disciplina, dedicação e são verdadeiras guerreiras, não sendo por acaso que as chamam de pérolas.

“Com mais esta conquista, prolongamos quase sem interrupção a vocação ganhadora, pós, tal como se revela o registo da nossa história, em 15 finais disputadas, apenas uma vez Angola não trouxe a Taça para casa”, lembrou.

Para conquistar o ceptro, a selecção nacional venceu na final o país anfitrião, os Camarões, por 25-15, em prova disputada no Pavilhão dos Desportos, obtendo também a qualificação para o Campeonato do Mundo em Dezembro, no Reino de Espanha.