Ministra promete responsabilização no caso da fundista Neide

  • Ministra da Juventude e Desportos, Ana Paula Sacramento Neto
Luanda – A ministra da Juventude e Desportos, Ana Paula do Sacramento Neto, prometeu esta quinta-feira, em Luanda, tomar medidas de responsabilização que se impuserem pela não inscrição da fundista Neide Dias, para participar nos Jogos Olímpicos de Tóquio, a disputar-se de 23 deste mês a 8 de Agosto, no Japão.

Falando à imprensa, à margem da quinta reunião ordinária da Comissão para a Política Social do Conselho de Ministros, a titular dos desportos disse já terem pedido esclarecimento por escrito para se aferir de facto as reais causas do sucedido.

“Este assunto do nosso lado é tratado pelo Comité Olímpico Angolano (COA) e com a própria Federação Angolana de Atletismo (FAA) e estes devem esclarecer por escrito, porque lidam directamente com o Comité Olímpico Internacional”, frisou.

Esclareceu não terem registado pedido de emissão de passaporte ou pedido de apoio para o tratamento da questão, pelo que aguardam que o assunto chegue ao seu departamento.

Acrescentou ser da competência do COA e da FAA tratar desse assunto, cuja tramitação da documentação não passa pelo Ministério, sendo necessário que se resolva o assunto para que questões do género não se repitam.

Entretanto, a fundista Neide Dias atribuiu segunda-feira, culpas à FAA pela sua não inscrição para participar nos Jogos de Tóquio por não ter o passaporte renovado em tempo útil.

A recordista nacional nos 1.500 metros, 3.000 m e 10.000 m, que reside em Portugal, diz-se injustiçada e alerta para que situações idênticas não ocorram com nenhum outro atleta.

Já o secretário-geral do Comité Olímpico Angolano, António Monteiro "Bambino”, explicou que o processo de selecção e inscrições dos concorrentes para os jogos são de inteira responsabilidade das respectivas federações.

Por conta desta e de outras situações similares, o antigo nadador admitiu a hipótese de interferência neste particular para que casos do género não voltem a acontecer.

Falando à imprensa, à margem da quinta reunião ordinária da Comissão para a Política Social do Conselho de Ministros, a titular dos desportos disse já terem pedido esclarecimento por escrito para se aferir de facto as reais causas do sucedido.

“Este assunto do nosso lado é tratado pelo Comité Olímpico Angolano (COA) e com a própria Federação Angolana de Atletismo (FAA) e estes devem esclarecer por escrito, porque lidam directamente com o Comité Olímpico Internacional”, frisou.

Esclareceu não terem registado pedido de emissão de passaporte ou pedido de apoio para o tratamento da questão, pelo que aguardam que o assunto chegue ao seu departamento.

Acrescentou ser da competência do COA e da FAA tratar desse assunto, cuja tramitação da documentação não passa pelo Ministério, sendo necessário que se resolva o assunto para que questões do género não se repitam.

Entretanto, a fundista Neide Dias atribuiu segunda-feira, culpas à FAA pela sua não inscrição para participar nos Jogos de Tóquio por não ter o passaporte renovado em tempo útil.

A recordista nacional nos 1.500 metros, 3.000 m e 10.000 m, que reside em Portugal, diz-se injustiçada e alerta para que situações idênticas não ocorram com nenhum outro atleta.

Já o secretário-geral do Comité Olímpico Angolano, António Monteiro "Bambino”, explicou que o processo de selecção e inscrições dos concorrentes para os jogos são de inteira responsabilidade das respectivas federações.

Por conta desta e de outras situações similares, o antigo nadador admitiu a hipótese de interferência neste particular para que casos do género não voltem a acontecer.