Morte de Maradona enluta o mundo

  • Diego Armando Maradona
Luanda – Uma das maiores lendas do desporto, o argentino Diego Armando Maradona, morreu nesta quarta-feira, enlutando o mundo do futebol.

Vítima de uma paragem cardiorrespiratória, Maradona morreu aos 60 anos, numa altura em que recuperava de uma intervenção cirúrgica na cabeça a que foi submetido, no princípio do corrente mês.

O astro chegou ao serviço da selecção principal com apenas 16 anos de idade, sendo o mais jovem na altura.

Em 1979 venceu o Campeonato do Mundo de Sub-21 e em 1981 transferiu-se para o Boca Juniors, onde conquistou o seu primeiro título nacional.

Ao serviço da selecção principal, El Pibe, como também é tratado, efectuou 91 jogos e marcou 34 golos.

Campeão do Mundo em 1986, no México, Maradona disputou um total de quatro Campeonatos do Mundo (1982, 1986, 1990 e 1994).

Representou, entre outros, o Boca Júniors (Argentina) Napoli (Itália) Barcelona e Sevilha (Espanha), Newells Old (EUA) e abandonou os campos como jogador aos 37 anos.

Como treinador entre 2008-2010, orientou a selecção do seu país e as equipas do Têxtil, Mandiyu, Racing, Dorados, Gimnasia e Esgrima.

O jogador escreveu o livro “Yo Soy el Diego” e chegou a ter um programa de televisão denominado “La Noche de Diez”.

Em homenagem aos seus feitos, o Governo argentino decretou três dias de luto pela morte do astro do futebol mundial.

Vítima de uma paragem cardiorrespiratória, Maradona morreu aos 60 anos, numa altura em que recuperava de uma intervenção cirúrgica na cabeça a que foi submetido, no princípio do corrente mês.

O astro chegou ao serviço da selecção principal com apenas 16 anos de idade, sendo o mais jovem na altura.

Em 1979 venceu o Campeonato do Mundo de Sub-21 e em 1981 transferiu-se para o Boca Juniors, onde conquistou o seu primeiro título nacional.

Ao serviço da selecção principal, El Pibe, como também é tratado, efectuou 91 jogos e marcou 34 golos.

Campeão do Mundo em 1986, no México, Maradona disputou um total de quatro Campeonatos do Mundo (1982, 1986, 1990 e 1994).

Representou, entre outros, o Boca Júniors (Argentina) Napoli (Itália) Barcelona e Sevilha (Espanha), Newells Old (EUA) e abandonou os campos como jogador aos 37 anos.

Como treinador entre 2008-2010, orientou a selecção do seu país e as equipas do Têxtil, Mandiyu, Racing, Dorados, Gimnasia e Esgrima.

O jogador escreveu o livro “Yo Soy el Diego” e chegou a ter um programa de televisão denominado “La Noche de Diez”.

Em homenagem aos seus feitos, o Governo argentino decretou três dias de luto pela morte do astro do futebol mundial.