MPLA lamenta morte da ex-desportista Júlia Mingas

Luanda - O Secretariado do Bureau Político do Comité Central do MPLA manifestou-se consternado pelo passamento físico da antiga desportista, Júlia Maria Vieira Dias Mingas, ocorrido segunda-feira, em Luanda, por doença, aos 75 anos de idade.

Numa mensagem de condolências que a ANGOP teve acesso, nesta terça-feira, o partido no poder em Angola escreve ter sido com profunda dor e consternação que tomou conhecimento da morte da ex-atleta.
 
Oriunda de uma destacável família da sociedade angolana, com reconhecida inclinação à política, música e desporto, Júlia Mingas foi, nas décadas de 60 e 70 do século XX, uma destacada figura do atletismo e do basquetebol, modalidades que praticou no Clube Atlético de Luanda (CAL), Ferroviário de Angola e Sport Lisboa e Benfica, lê-se na nota.

Com passagem pelo Ministério da Saúde, foi, durante vários anos, Secretária - Geral do Ministério da Comunicação Social, tendo sido uma das primeiras mulheres a exercer tão honrado posto na função pública angolana, notabilizando-se pela destreza e brio profissional, de acordo com a comunicação.

O documento acrescenta que o desaparecimento físico de Júlia Mingas, que exerceu também funções de Administradora não Executiva da Agência Angola Press (ANGOP), constitui um vazio impossível de preencher.

“Nesta hora de dor e de luto, o Secretariado do Bureau Político do MPLA, em nome dos militantes, simpatizantes e amigos do Partido curva-se perante à sua memória e endereça a família, sentidas condolências”, finaliza a nota.

Numa mensagem de condolências que a ANGOP teve acesso, nesta terça-feira, o partido no poder em Angola escreve ter sido com profunda dor e consternação que tomou conhecimento da morte da ex-atleta.
 
Oriunda de uma destacável família da sociedade angolana, com reconhecida inclinação à política, música e desporto, Júlia Mingas foi, nas décadas de 60 e 70 do século XX, uma destacada figura do atletismo e do basquetebol, modalidades que praticou no Clube Atlético de Luanda (CAL), Ferroviário de Angola e Sport Lisboa e Benfica, lê-se na nota.

Com passagem pelo Ministério da Saúde, foi, durante vários anos, Secretária - Geral do Ministério da Comunicação Social, tendo sido uma das primeiras mulheres a exercer tão honrado posto na função pública angolana, notabilizando-se pela destreza e brio profissional, de acordo com a comunicação.

O documento acrescenta que o desaparecimento físico de Júlia Mingas, que exerceu também funções de Administradora não Executiva da Agência Angola Press (ANGOP), constitui um vazio impossível de preencher.

“Nesta hora de dor e de luto, o Secretariado do Bureau Político do MPLA, em nome dos militantes, simpatizantes e amigos do Partido curva-se perante à sua memória e endereça a família, sentidas condolências”, finaliza a nota.