Tempo de trabalho pode ditar resultado em Kigali

  • atletas do Petro de Luanda durante a orientação tecnica
Luanda - O facto de a Selecção Nacional ser constituída maioritariamente por jogadores do Petro de Luanda, que já dominam a filosofia do técnico, pode ser determinante na disputa da janela de qualificação ao Afrobasket' 2021.

De acordo com o antigo internacional, Herlander Coimbra, o tempo de trabalho colectivo e o conhecimento  dos métodos do treinador pode facilitar o entrosamento do conjunto, que inicia a prova quarta-feira, em Kigali (Rwanda), diante de Moçambique, a partir das 18 horas.

Em declarações à Rádio 5, o ex-triplista acha que, apesar das eventuais dificuldades competitivas a encontrar, Moçambique, Quénia e Senegal são adversários ultrapassáveis.

Em posição inversa, o treinador de basquetebol António da Luz afirmou que a falta de ritmo competitivo pode criar alguma dificuldade ao combinado angolano, sobretudo no último período de cada jogo, referindo-se ao aspecto físico.

“ Nós não competimos há cerca de oito meses e isso tem o seu peso, mas o conjunto é composto por atletas experientes que podem fazer a diferença “ frisou, o também comentarista desportivo.

Da Luz referiu que, pelo histórico, Angola é sempre um alvo a abater, pela hegemonia de mais de vinte anos em África.

A Selecção Nacional defronta Moçambique na estreia, quarta-feira. Em seguida, joga com o Quénia (quinta-feira) e depois com o Senegal.

A equipa nacional, composta, na sua maioria, por jogadores do Petro de Luanda, é liderada por José Neto, tendo como coadjuvantes Aníbal Moreira e Victor de Carvalho.

 Constituição da Selecção

 Childe Dundão, Joaquim Pedro ( base ), Carlo Morais, Leandro Conceição, Gerson Gonçalves ( extremos-base ), Olímpio Cipriano, José António, Cristiano Xavier, Melvyn da Silva ( extremos), Leonel Paulo (extremo - poste) Aboubakar Gagou, Valdelício Joaquim e Jone Pedro( poste ).

De acordo com o antigo internacional, Herlander Coimbra, o tempo de trabalho colectivo e o conhecimento  dos métodos do treinador pode facilitar o entrosamento do conjunto, que inicia a prova quarta-feira, em Kigali (Rwanda), diante de Moçambique, a partir das 18 horas.

Em declarações à Rádio 5, o ex-triplista acha que, apesar das eventuais dificuldades competitivas a encontrar, Moçambique, Quénia e Senegal são adversários ultrapassáveis.

Em posição inversa, o treinador de basquetebol António da Luz afirmou que a falta de ritmo competitivo pode criar alguma dificuldade ao combinado angolano, sobretudo no último período de cada jogo, referindo-se ao aspecto físico.

“ Nós não competimos há cerca de oito meses e isso tem o seu peso, mas o conjunto é composto por atletas experientes que podem fazer a diferença “ frisou, o também comentarista desportivo.

Da Luz referiu que, pelo histórico, Angola é sempre um alvo a abater, pela hegemonia de mais de vinte anos em África.

A Selecção Nacional defronta Moçambique na estreia, quarta-feira. Em seguida, joga com o Quénia (quinta-feira) e depois com o Senegal.

A equipa nacional, composta, na sua maioria, por jogadores do Petro de Luanda, é liderada por José Neto, tendo como coadjuvantes Aníbal Moreira e Victor de Carvalho.

 Constituição da Selecção

 Childe Dundão, Joaquim Pedro ( base ), Carlo Morais, Leandro Conceição, Gerson Gonçalves ( extremos-base ), Olímpio Cipriano, José António, Cristiano Xavier, Melvyn da Silva ( extremos), Leonel Paulo (extremo - poste) Aboubakar Gagou, Valdelício Joaquim e Jone Pedro( poste ).