Aumento de praticantes e níveis nas acções da APTL  

  • Pormenor de uma partida de ténis (Arquivo).
Luanda – A reactivação e surgimento de mais núcleos para o aumento de praticantes e resgate do estatuto de maior centro do país, constitui prioridades das acções, nos próximos três anos, da Associação Provincial de Ténis de Luanda (APTL), segundo o seu novo presidente, Kenny Vasconcelos.           

Em avaliação ao torneio de abertura da época desportiva2021, disputado nos “courts” do clube da modalidade da capital do país (CTL), o dirigente, recentemente eleito, referiu à Angop, que o seu elenco já começou a trabalhar incentivando os clubes a aderirem ao ténis e a criação de outros pólos e núcleos nas distintas localidades da província.              

“Após assumirmos a direcção da APTL, que ficou muito tempo inactiva, começamos a tratar das questões organizativas e administrativas, como o levantamento de praticantes e treinadores. Já está em curso a distribuição de fichas de inscrições, que possibilitará um melhor cadastramento e controlo geral. Também temos uma programação de competições e outras acções, para que a modalidade volta a normalidade e tenha níveis altos como no passado”, disse.              

Para a concretização dos referidos propósitos, o novo elenco associativo, que contará com o apoio de algumas entidades, vai aproveitar da melhor forma a boa vontade e iniciativa de núcleos e instituições, principalmente aquelas que já possuem campos da modalidade.

Administrativamente, a APTL ficou mais de cinco anos inactiva, após abandono, por incompatibilidade de cargos, por parte do seu anterior presidente, Joffre Van-dúnen Júnior. Pelo facto, só no mês passado foi eleito o elenco dirigido por Kenny Vasconcelos, que se propõe em dar uma nova dinâmica ao principal centro do ténis do país.   

Anteriormente, Luanda já possuía cerca de 100 praticantes, em masculinos e femininos, bem como duas dezenas de treinadores e monitores de ténis. Deste número, apenas contabilizavam-se os associados na APTL, sem contar os de lazer e outros espalhados pelos vários condomínios com campos específicos.                        

Quanto ao torneio de abertura, também enquadrado na jornada comemorativa do 17 de Setembro, Dia do Herói Nacional, realizado no final de semana, com participação de mais de 30 jogadores dos escalões infanto-juvenil até aos sub-18, em ambos os sexos, foi dominado pelo CTL.     

Em masculinos, o triunfo foi para Emersom Pedro diante de Juelson Paulino, por dois sets (curto) a zero, com parciais de 4/2 e 4/1, nos sub-18. Para os sub-14, Daniel Domingos venceu Justino Rodrigues, por 4/0 e 4/1, enquanto que Ana Lemos derrotou Mariana Costa, por 4/2 e 4/0.     

A prova contou com a presença de jogadores do CTL, 1º de Agosto, Projecto Kikuxi, Kitangana, núcleos da Ilha, IMEL e individuais, que brindaram (99) aniversário do falecido presidente da República de Angola, António Agostinho Neto.

Em relação ao Herói Nacional, António Agostinho Neto, nascido a 17 de Setembro de 1922, em Caxicane (Icolo e Bengo), é uma das principais figuras da Nação angolana do século XX, fruto do seu papel decisivo na independência de Angola e de alguns países africanos.

Como primeiro Presidente de Angola proclamou a Independência do país do então jugo colonial português, a 11 de Novembro de 1975.        

 

 

 

Em avaliação ao torneio de abertura da época desportiva2021, disputado nos “courts” do clube da modalidade da capital do país (CTL), o dirigente, recentemente eleito, referiu à Angop, que o seu elenco já começou a trabalhar incentivando os clubes a aderirem ao ténis e a criação de outros pólos e núcleos nas distintas localidades da província.              

“Após assumirmos a direcção da APTL, que ficou muito tempo inactiva, começamos a tratar das questões organizativas e administrativas, como o levantamento de praticantes e treinadores. Já está em curso a distribuição de fichas de inscrições, que possibilitará um melhor cadastramento e controlo geral. Também temos uma programação de competições e outras acções, para que a modalidade volta a normalidade e tenha níveis altos como no passado”, disse.              

Para a concretização dos referidos propósitos, o novo elenco associativo, que contará com o apoio de algumas entidades, vai aproveitar da melhor forma a boa vontade e iniciativa de núcleos e instituições, principalmente aquelas que já possuem campos da modalidade.

Administrativamente, a APTL ficou mais de cinco anos inactiva, após abandono, por incompatibilidade de cargos, por parte do seu anterior presidente, Joffre Van-dúnen Júnior. Pelo facto, só no mês passado foi eleito o elenco dirigido por Kenny Vasconcelos, que se propõe em dar uma nova dinâmica ao principal centro do ténis do país.   

Anteriormente, Luanda já possuía cerca de 100 praticantes, em masculinos e femininos, bem como duas dezenas de treinadores e monitores de ténis. Deste número, apenas contabilizavam-se os associados na APTL, sem contar os de lazer e outros espalhados pelos vários condomínios com campos específicos.                        

Quanto ao torneio de abertura, também enquadrado na jornada comemorativa do 17 de Setembro, Dia do Herói Nacional, realizado no final de semana, com participação de mais de 30 jogadores dos escalões infanto-juvenil até aos sub-18, em ambos os sexos, foi dominado pelo CTL.     

Em masculinos, o triunfo foi para Emersom Pedro diante de Juelson Paulino, por dois sets (curto) a zero, com parciais de 4/2 e 4/1, nos sub-18. Para os sub-14, Daniel Domingos venceu Justino Rodrigues, por 4/0 e 4/1, enquanto que Ana Lemos derrotou Mariana Costa, por 4/2 e 4/0.     

A prova contou com a presença de jogadores do CTL, 1º de Agosto, Projecto Kikuxi, Kitangana, núcleos da Ilha, IMEL e individuais, que brindaram (99) aniversário do falecido presidente da República de Angola, António Agostinho Neto.

Em relação ao Herói Nacional, António Agostinho Neto, nascido a 17 de Setembro de 1922, em Caxicane (Icolo e Bengo), é uma das principais figuras da Nação angolana do século XX, fruto do seu papel decisivo na independência de Angola e de alguns países africanos.

Como primeiro Presidente de Angola proclamou a Independência do país do então jugo colonial português, a 11 de Novembro de 1975.