Activismo de combate à fome chega ao Maquela do Zombo

Uíge - Trinta jovens do município de Maquela do Zombo, na província do Uíge, foram formados, nesta semana, em matérias ligadas ao activismo económico, para ajudar a população local no combate à fome e à pobreza.

A iniciativa, denominada “Dialogar é Fundamental para Combater a Fome e a Pobreza”, é do Departamento Nacional de Desenvolvimento Comunitário da Igreja Anglicana, em vigor desde Janeiro de 2020.

Os activistas foram formados em matérias ligadas à Lei da Terra, Orçamento participativo, uso correcto das novas tecnologias de informação (TIC) e de como trabalhar nas acções de levantamento das principais dificuldades que afligem as populações, para resolução junto da administração local.

Na ocasião, o coordenador nacional do projecto, Nelson Mbianda, disse que o mesmo contempla apenas o município de Maquela do Zombo, na primeira fase, e que foi implementado para aumentar o espírito de cidadania no seio das famílias, com vista a conhecerem as vantagens da sua participação no desenvolvimneto municipal.

Segundo o responsável, o projecto abarca também a formação de formadores que posteriormente vão dar continuidade ao processo, numa cooperação com as administrações municipais para a elaboração de relatórios, levantamento das dificuldades vividas pelas comunidades e na legalização de espaços.

Assegurou que actividades do género vão ser desenvolvidas nos demais municípios da província, para levar ao conhecimento das população a importância de participar no desenvolvimento dos municípios.

Com uma estimativa de cerca de 122 mil e 320 habitantes, o município de Maquela do Zombo dista a 293 quilómetros da cidade do Uíge e tem as comunas de Beu, Cuilo Futa, Quibocolo e Sacandica.

A iniciativa, denominada “Dialogar é Fundamental para Combater a Fome e a Pobreza”, é do Departamento Nacional de Desenvolvimento Comunitário da Igreja Anglicana, em vigor desde Janeiro de 2020.

Os activistas foram formados em matérias ligadas à Lei da Terra, Orçamento participativo, uso correcto das novas tecnologias de informação (TIC) e de como trabalhar nas acções de levantamento das principais dificuldades que afligem as populações, para resolução junto da administração local.

Na ocasião, o coordenador nacional do projecto, Nelson Mbianda, disse que o mesmo contempla apenas o município de Maquela do Zombo, na primeira fase, e que foi implementado para aumentar o espírito de cidadania no seio das famílias, com vista a conhecerem as vantagens da sua participação no desenvolvimneto municipal.

Segundo o responsável, o projecto abarca também a formação de formadores que posteriormente vão dar continuidade ao processo, numa cooperação com as administrações municipais para a elaboração de relatórios, levantamento das dificuldades vividas pelas comunidades e na legalização de espaços.

Assegurou que actividades do género vão ser desenvolvidas nos demais municípios da província, para levar ao conhecimento das população a importância de participar no desenvolvimento dos municípios.

Com uma estimativa de cerca de 122 mil e 320 habitantes, o município de Maquela do Zombo dista a 293 quilómetros da cidade do Uíge e tem as comunas de Beu, Cuilo Futa, Quibocolo e Sacandica.