Agricultores em Camanongue pedem flexibilidade para crédito

Camanongue - Agricultores no município de Camanongue, província do Moxico, solicitaram, nesta quarta-feira, às instituições bancárias e de serviços públicos, maior desburocratização para o processo de cedência de crédito agrícola.

Os agricultores manifestaram tal insatisfação durante um encontro entre o secretário de Estado para o Planeamento, Milton dos Santos Reis, e as associações e cooperativas daquele município do Moxico.

Na reunião, os agricultores salientaram que a excessiva burocracia na cedência de crédito tem levado vários produtores a desistirem da actividade, contrapondo-se à vontade desta classe em contribuir para a produção local.

O agricultor Ezequiel Miza disse que precisa de um crédito agrícola para aumentar a sua produção, de três para cinco hectares de terra, pois tem encontrado dificuldades em tratar alguns documentos, nomeadamente o título de concessão de terra e estudo de viabilidade.

Marcos Viagem, outro agricultor, entende que o sucesso do agro-negócio está dependente do apoio da banca e de incentivos do Estado, mas que estes devem ser menos burocráticos.

O secretário de Estado para o Planeamento informou que a sua associação pretende aderir ao PAC, nos próximos anos, afim de fomentar a produção de várias culturas, sobretudo a do milho e da mandioca.

Enquanto isso, o agricultor Zaqueu Jeremias contou que o entrave dos bancos impende de adquirir tractores e outros equipamentos, assim como de sementes e fertilizantes para ampliar a produção na sua zona de cultivo.

Ao intervir no acto, o director nacional para Economia, Competitividade e Inovação, João Nkosi, disse que o Ministério de tutela vai ajudar os agricultores aderirem ao Programa de Apoio ao Crédito (PAC), Fundo Activo de Capital de Risco Angolano (FACRA) e “Kixi Crédito”, sobretudo os que estão agrupados em cooperativas e associações.

A ajuda vai cingir-se em auxiliar os produtores juntos dos bancos, criar grupos de apoio e formar os agricultores no país.  

No Camanongue existem duas mil e 500 famílias camponesas, distribuídas em mais de 20 associações agrícolas, duas cooperativas e 52 pequenos produtores.

O secretário de Estado para o Planeamento, Milton Reis, efectua uma visita de trabalho de três dias, ao Moxico, para constatar o andamento de projectos no âmbito do PIIM, Combate à Pobreza, PAC, FACRA e “Kixi Crédito”, no município de Camanongue, Léua e Luacano.

 

Os agricultores manifestaram tal insatisfação durante um encontro entre o secretário de Estado para o Planeamento, Milton dos Santos Reis, e as associações e cooperativas daquele município do Moxico.

Na reunião, os agricultores salientaram que a excessiva burocracia na cedência de crédito tem levado vários produtores a desistirem da actividade, contrapondo-se à vontade desta classe em contribuir para a produção local.

O agricultor Ezequiel Miza disse que precisa de um crédito agrícola para aumentar a sua produção, de três para cinco hectares de terra, pois tem encontrado dificuldades em tratar alguns documentos, nomeadamente o título de concessão de terra e estudo de viabilidade.

Marcos Viagem, outro agricultor, entende que o sucesso do agro-negócio está dependente do apoio da banca e de incentivos do Estado, mas que estes devem ser menos burocráticos.

O secretário de Estado para o Planeamento informou que a sua associação pretende aderir ao PAC, nos próximos anos, afim de fomentar a produção de várias culturas, sobretudo a do milho e da mandioca.

Enquanto isso, o agricultor Zaqueu Jeremias contou que o entrave dos bancos impende de adquirir tractores e outros equipamentos, assim como de sementes e fertilizantes para ampliar a produção na sua zona de cultivo.

Ao intervir no acto, o director nacional para Economia, Competitividade e Inovação, João Nkosi, disse que o Ministério de tutela vai ajudar os agricultores aderirem ao Programa de Apoio ao Crédito (PAC), Fundo Activo de Capital de Risco Angolano (FACRA) e “Kixi Crédito”, sobretudo os que estão agrupados em cooperativas e associações.

A ajuda vai cingir-se em auxiliar os produtores juntos dos bancos, criar grupos de apoio e formar os agricultores no país.  

No Camanongue existem duas mil e 500 famílias camponesas, distribuídas em mais de 20 associações agrícolas, duas cooperativas e 52 pequenos produtores.

O secretário de Estado para o Planeamento, Milton Reis, efectua uma visita de trabalho de três dias, ao Moxico, para constatar o andamento de projectos no âmbito do PIIM, Combate à Pobreza, PAC, FACRA e “Kixi Crédito”, no município de Camanongue, Léua e Luacano.