Angola abre-se a operadora de telefonia queniana

  • Antenas de operadoras de telefonia móvel (foto ilustração)
Luanda - O Ministro da Economia e Planeamento, Sérgio Santos, incentivou, quarta-feira, a empresa de telefonia queniana Safaricom a investir no mercado angolano, com vista a aumentar a competitividade e concorrência no sector das telecomunicações.

Para o efeito, o governante angolano convidou os responsáveis da referida companhia a participarem de um seminário que deverá decorrer em Angola, nos próximos tempos, e aproveitarem o momento para estudar formas de criação de parcerias no país.

Sérgio Santos endereçou o convite durante um encontro virtual bilateral, sobre esse assunto, tendo na ocasião referido que o mercado angolano regista 90% da economia no sector informal, pelo que os serviços dessa operadora constituirão ganhos para Angola.

Entretanto, o ministro da Economia e Planeamento reconheceu a necessidade e importância da ferramenta M-pesa, usada pela Safaricom para transacções financeiras por telemóvel, uma experiência quer as autoridades angolanas pretendem aproveitar.

No encontro, promovido pelo embaixador de Angola no Quénia, Sianga Abílio, a empresa queniana foi representada por Sitoyo Lopokoiyit , director Geral da M-pesa África, e por Ogugwa Adegbite, directora de Estratégia e Expansão Internacional do Mpesa África. 

A ferramenta Mpesa foi criada no Quénia, em 2007, e já é usada na Tanzânia, Egipto, Moçambique, República Democrática do Congo, Ghana e Lesoto.

Enquanto isso, as empresas Unitel e Movicel continuam a dominar o mercado de telefonia em Angola, desde 2000. Antes, a Angola Telecom é a detentora exclusiva do sector, e para Dezembro deste ano aguarda-se pelo início das actividades da Africell.   

Para o efeito, o governante angolano convidou os responsáveis da referida companhia a participarem de um seminário que deverá decorrer em Angola, nos próximos tempos, e aproveitarem o momento para estudar formas de criação de parcerias no país.

Sérgio Santos endereçou o convite durante um encontro virtual bilateral, sobre esse assunto, tendo na ocasião referido que o mercado angolano regista 90% da economia no sector informal, pelo que os serviços dessa operadora constituirão ganhos para Angola.

Entretanto, o ministro da Economia e Planeamento reconheceu a necessidade e importância da ferramenta M-pesa, usada pela Safaricom para transacções financeiras por telemóvel, uma experiência quer as autoridades angolanas pretendem aproveitar.

No encontro, promovido pelo embaixador de Angola no Quénia, Sianga Abílio, a empresa queniana foi representada por Sitoyo Lopokoiyit , director Geral da M-pesa África, e por Ogugwa Adegbite, directora de Estratégia e Expansão Internacional do Mpesa África. 

A ferramenta Mpesa foi criada no Quénia, em 2007, e já é usada na Tanzânia, Egipto, Moçambique, República Democrática do Congo, Ghana e Lesoto.

Enquanto isso, as empresas Unitel e Movicel continuam a dominar o mercado de telefonia em Angola, desde 2000. Antes, a Angola Telecom é a detentora exclusiva do sector, e para Dezembro deste ano aguarda-se pelo início das actividades da Africell.