Angola eleita Vice-Presidente do Conselho da FAO

  • Embaixadora Maria de Fátima Jardim é vice-presidente da 167ª sessão do Conselho da FAO para África.
Roma- Angola foi eleita Vice-Presidente do Conselho da FAO durante a 165ª sessão ordinária desta agência das Nações Unidas aberta segunda-feira.

A propósito, a representante permanente angolana na FAO, embaixadora Maria de Fátima Jardim, agradeceu ao Conselho, especialmente o seu presidente, pela confiança e pelo trabalho realizado em prol da agricultura, segurança alimentar e da resiliência dos sistemas alimentares e nutrição.

No seu discurso de abertura, o director-geral da FAO, Qu Dongyu, fez uma abordagem abrangente sobre o trabalho e envolvimento da agência nos últimos 16 meses, actualizando o Conselho sobre as importantes actividades.

Apresentou novas propostas e iniciativas, com realce para o esboço do Quadro Estratégico 2022-2031 e a Estratégia da organização para o Envolvimento do Sector Privado 2021-2025.

Qu Dongyu destacou que o mundo continua a mudar rapidamente desde a última reunião do Conselho, em Julho, observando que os ajustes introduzidos ajudaram a FAO a reagir melhor ao novo normal e servir melhor os seus membros.

“Com a reforma estrutural alcançada e a liderança colectiva, as principais actividades da FAO estão a desenrolar-se de forma satisfatória”, disse em alusão à nova estrutura organizacional desta agência da ONU, que continua a fortalecer a colaboração com membros e parceiros e aumentar o seu envolvimento, visibilidade e reputação internacionais.

Presidido pelo presidente independente do Conselho, Khalid Mehboob, a 165ª sessão da FAO decorre até dia 4 de Dezembro em formato virtual e debaterá, entre outros assuntos, o Programa de Trabalho 2020-2021, o Relatório de Segurança Alimentar e do Comité de Programa e de Finanças, bem como o Programa de Trabalho Plurianual para 2020-2023.

O Conselho é o órgão executivo da Conferência da FAO. Tem 49 membros e reúne-se pelo menos quatro vezes entre as suas sessões.

Em particular, o Conselho exerce funções que tratam da situação alimentar e agrícola mundial e assuntos relacionados, actividades actuais e futuras da organização, incluindo o programa de trabalho e orçamento, assuntos administrativos, gestão financeira da organização e questões constitucionais.

A propósito, a representante permanente angolana na FAO, embaixadora Maria de Fátima Jardim, agradeceu ao Conselho, especialmente o seu presidente, pela confiança e pelo trabalho realizado em prol da agricultura, segurança alimentar e da resiliência dos sistemas alimentares e nutrição.

No seu discurso de abertura, o director-geral da FAO, Qu Dongyu, fez uma abordagem abrangente sobre o trabalho e envolvimento da agência nos últimos 16 meses, actualizando o Conselho sobre as importantes actividades.

Apresentou novas propostas e iniciativas, com realce para o esboço do Quadro Estratégico 2022-2031 e a Estratégia da organização para o Envolvimento do Sector Privado 2021-2025.

Qu Dongyu destacou que o mundo continua a mudar rapidamente desde a última reunião do Conselho, em Julho, observando que os ajustes introduzidos ajudaram a FAO a reagir melhor ao novo normal e servir melhor os seus membros.

“Com a reforma estrutural alcançada e a liderança colectiva, as principais actividades da FAO estão a desenrolar-se de forma satisfatória”, disse em alusão à nova estrutura organizacional desta agência da ONU, que continua a fortalecer a colaboração com membros e parceiros e aumentar o seu envolvimento, visibilidade e reputação internacionais.

Presidido pelo presidente independente do Conselho, Khalid Mehboob, a 165ª sessão da FAO decorre até dia 4 de Dezembro em formato virtual e debaterá, entre outros assuntos, o Programa de Trabalho 2020-2021, o Relatório de Segurança Alimentar e do Comité de Programa e de Finanças, bem como o Programa de Trabalho Plurianual para 2020-2023.

O Conselho é o órgão executivo da Conferência da FAO. Tem 49 membros e reúne-se pelo menos quatro vezes entre as suas sessões.

Em particular, o Conselho exerce funções que tratam da situação alimentar e agrícola mundial e assuntos relacionados, actividades actuais e futuras da organização, incluindo o programa de trabalho e orçamento, assuntos administrativos, gestão financeira da organização e questões constitucionais.